quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Tic - Tac


O despertador continua a tocar pela manhã, memória de uma rotina interrompida.

Quando temos uma rotina, queixamo-nos; deixamos de tê-la e o tempo perde-nos, etéreo como o
futuro, indisciplina-nos, se não almoço agora, almoço depois, não há hora para dormir porque não há hora para levantar.

O tempo escorre lânguido e preguiçoso embrulhado em memórias e esperanças.

Nesta fase em que não faço nem posso fazer (tenho de estar um par de meses sem trabalhar para cumprir o acordo com a minha antiga casa) dou-me conta que a rotina me fez apagar. Sem o meu trabalho sobra-me tempo porque com ele fui desistindo daquilo que era: as aulas que dava, a música, as horas sentado ao piano ou com uma folha de papel... e que bom recuperar e recuperar-me nesta ânsia de cantar, escrever, ensinar!

Abri a porta de saída, a que não se abre porque se tem medo, e saí, não me atirei pela janela.

Felizmente a minha vida permite-mo. Não tenho responsabilidades, não tenho dívidas, nem um simples cartão de crédito; as contas a pagar ao fim do mês são controladas e controláveis e sem os medos mundanos, recupero a vida pensante e pulsante que sempre tive, recupero o pulso
como o tic-tac do despertador que continua a tocar pela manhã e diz: “Acordaste!”

sábado, 7 de novembro de 2009

Tu e o teu caderno preto






Estás sentado no café da esquina. Tu e o teu caderno preto.

Um prato vazio e um café que arrefece. A garrafa de água aberta. Olhas a rua na grande metrópole. Olhas sem ver porque tens os pensamentos perdidos, um turbilhão de ideias sem ordem nem razão.

Inesperadamente um pensamento cai em ti como um meteorito que entra ardente na atmosfera e te impacta fundo. Será, provavelmente, a última vez que te sentas nesse café de esquina. Tu e o teu caderno preto.

Quantas vezes o fizeste? Muitas, muitas, centenas concerteza. Após um lustro, um lustro de pensamentos no teu caderno preto, não precisas de pedir. Sabem quem és, que café queres, a tua mesa preferida, quem entra, a terceira junto à janela de onde podes ver o cruzamento e as pessoas que correm apressadas.

Olhas pela janela e começas a ver. O céu está azul, limpo como só consegue estar nas manhãs frias, incorrupto, sem núvens, o sol baixo faz brilhar a grande metrópole.

Vês passar os carros, os táxis, os autocarros, vês gente que caminha apressada e outros que aproveitam a manhã de sol para passear.

Não há pausa na cidade, há sempre um carro parado no semáforo, gente que atravessa a rua. Centenas de anónimos como tu.

Sorris, dás-te conta que a cidade continuará a mesma sem ti, levantas-te, fechas o teu caderno preto e caminhas até a casa confundido com a multidão.

Fica a esquina, o café da esquina, a terceira mesa junto à janela onde passaste horas. Tu e o teu caderno preto.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Um bocadinho de mim

Estes dias fiz um curso de “soft skills” que me assustou pela extrema qualidade. Nunca fui muito de acreditar nestes cursos com técnicas fabricadas para convencer, influenciar ou vender, mas este método parte de nós, das nossas forças e fraquezas e das daqueles com quem lidamos e como nos devemos moldar às características dos outros.

O resumo da minha análise depois de uns quantos questionários e uma entrevista com uma psicóloga é o texto transcrito abaixo. Quem me conhece, faça o favor de comentar.

Personal Style
Melões likes to develop models for improving the way to solve difficult problems. He is highly independent and can live and work quite contentedly in modest surroundings. He has an ever-present internal critic who judges everything he thinks and does. He uses his thinking to run as much of the world as he can and is in his element when a situation needs to be organised, criticised or regulated. Although disinterested in purely scholastic pursuits, knowledge is important for its immediate usefulness to him.

He is keen to pick out logical inconsistencies. He typically does not take constructive criticism and disagreement personally. He welcomes though, accurate, unrelenting critiques as helpful in achieving the highest levels of performance and objectivity. Both for himself and others, fun, relaxation and free time are scheduled and prioritised events. He prefers to be left to work quietly on his own, which is when he achieves his best work. The process of objective analysis is a source of great enjoyment to him, with the outcome often of much less importance. He may sometimes take over work of others rather than leave important tasks undone, or done poorly. He is seen as practical, trustworthy and dedicated to preserving traditional values. Because he relies heavily on logical analysis, he can overlook what matters to others. His strong sense of personal values may make him reserved around strangers whose values he feels may conflict with his own. Although objective, he may be more interested in finding creative solutions to problems than in seeing those solutions become reality.

Melões is an analytical thinker, who prefers to be fully objective in his work. He is aesthetically appreciative and values quality. He often sees when colours match or blend and may have a highly developed taste for art, music and food. He is good at organising and bringing ideas into the plan. As he likes conversation to be purposeful, and may argue practicalities to the point of hair-splitting, he tends to be convinced only by reason. His aim is to fit all the pieces of the jigsaw together into a complete picture, but for Melões the jigsaw keeps expanding with the discovery of every new piece.

He likes to make rules based on his own standards and to apply those rules to everyday life. Melões is seen by many people as being independent and self-contained. He sometimes feels less than adequate when he thinks the effort of living up to his own high standards of perfection. He is strongly motivated and get things right, especially factually, and to be most effective he should be allowed to operate in a private environment. He is quiet, reserved and distant, with a thoughtful appearance.

Interacting with others
Melões applies objective analysis to most things, including people. Although he has a good understanding of facts, figures and ideas he may sometimes struggle to present them to others and have them understood and accepted. He doesn’t often encourage others to challenge his views. He uses his thinking to analyse the world, not to control it, but his reliance on thinking makes him appear impersonal and critical. He may mistrust authority and hierarchy and will choose to remain neutral rather than be drawn into supporting lost “underdog” causes.

He is reluctant to display his emotions to others. He may sometimes encounter difficulties in communications because he would prefer everyone to be as logical and analytical as he is himself. He will often do without something rather than reach out to others to get it. He may seek to reduce his personal needs rather than be dependent on other people. He needs to know that he is making a unique contribution to the world he lives in. Roles that require empathy and sympathy may not suit him, as despite his concern for others, he is likely to be more content dealing with things rather than with people.

He dislikes being criticised by others as he is already heavily burdened by his inner voice of self-judgement. He can be independent to the point of stubbornness and places a high value on professionalism. He does not take criticism personally and his often surprised to discover that others may be hurt or offended by the constructive criticism he can offer. His abilities may not be readily recognised or accepted, as he may be seen as somewhat aloof by others. His interests do not help social encounters, where he is often perceived as distancing himself from social contact.

Decision Making
Melões’ quizzical and probing nature may create solutions which open up fresh processes. His quiet demeanour often allows him to get agreement to his alternative solutions. He views life as an intellectual challenge and needs to think things through before deciding. He may lack patience with others who are less focused on the job in hand. His natural introversion does not prevent him from making critical and incisive comments with conviction and presence.

He usually delays decision making until the facts and details are available. He tends to make sound future decisions only after deep reflection. He applies analysis and objectivity to discover the underlying principles, relying on clear thinking in making decisions. He may occasionally be slow at coming to a decision, or try to have a decision reversed, as he has a need to analyse all the available alternatives. He makes decisions after a great deal of thought and he may not be dissuaded by emotional or muddled arguments.
Melões is able to readily grasp any underlying principles and make decisions based on logic, rather than on how people feel. He is not usually prepared to commit to high risk decisions. He is impressed by reason and logic and prefers to focus his thinking on the underlying principles. Melões’ many accomplishments are achieved mainly though determination and perseverance in reaching or exceeding his high standards. With a love of problem solving, he can be very perceptive and has a highly developed capacity for inner reflection."

sábado, 24 de outubro de 2009

London is London

É oficial.

Vou deixar Londres. Após quase seis anos na ilha, é hora de mudar. Não foi uma decisão difícil. Promoção, aumento, estar mais próximo de casa, da minha princesa, agora afilhada, uma cidade onde já vivi e onde finalmente me encontro com a cara-metade-mais-que-tudo, não dá muito que pensar.

Em Novembro começo oficialmente a minha nova vida em Madrid, se bem que durante uns meses viverei como um nómada a saltar entre Londres e Madrid porque ninguém se consegue mudar numa semana.

No entanto, e ainda estando em Londres, já sinto saudades desta imensa metrópole. Só aqui consigo encontrar um concerto de alto nível todos os dias, posso dizer que quero ir à ópera e tenho uma produção excelente sempre disponível, o meu Barbican de estimação onde tantas vezes ouvi Bach e outros sob a maestria de Sir John Eliot Gardiner, os meus musicais e os brunch de Domingo.

Os mercados de rua ou as lojas de Mayfair, gente e mais gente e mais gente como se a cidade vivesse numa contínua noite de S. João.

Os museus e os palácios, as grandes igrejas com concertos ao meio dia por coros que só existem no país que tem os melhores coros do mundo. As exposições e a arte de rua.

As manhãs cinzentas ou as tardes de sol nos imensos parques. Caminhar pelo Regent’s Canal, subir a Primrose Hill e abarcar a imensa cidade no silêncio.

Os amigos que cá estavam e os que fiz entretanto. O pub à saída do trabalho, a confusão da rush hour e a vida da city onde milhares de pessoas, como eu, caminham apressadas, agasalhando as mãos num café.

Acima de tudo os meus meninos, os que estão e os que brilham lá em cima. Os meus meninos que verei amanhã pela última vez. Os meus meninos, os olhos vivaços de quem acredita que tem uma vida pela frente. Quero acreditar que sim.

E o John, falei dele um dia aqui, que morreu no dia de todos os santos, faz este ano dois anos, e o meu menino da Nigéria, o menino que, faz em Dezembro um ano, se despediu do mundo olhando-me nos olhos. Os olhos que ainda hoje vejo.

Isto é Londres para mim. A cidade que me transformou, fez-me adulto, calmo, a cidade que me enterrou os fantasmas e me deu uma nova alegria de viver, não a loucura da adolescência mas uma alegria serena, interior, um crescimento imenso, me fez mais humano.

Londres é Londres e será sempre uma parte de mim.


segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Cinco de Outubro


Há noventa e nove anos o meu país fez uma revolução. Decidiu que um regime monárquico não lhe servia e escolheu a república. Mudança difícil e violenta, desgoverno constante e falta de visão moral e social, como um adolescente que descobre um mundo novo à sua frente, a primeira república saiu-se mal e acabou por se derrubar também fruto de incompetência, interesses pessoais e divergências internas.

Abriu caminho à ditadura militar e ao Estado Novo e a quase meio século de “Deus, Pátria e Família”. Anos de forte crescimento económico, desenvolvimento sustentado, infra-estructuras, saúde e educação, foram também anos de fim de liberdades, de perseguição, anti-partidarismo, e uma guerra que defendia o que já era indefensável.

Dizendo chega, o país entrou outra vez num ciclo de desgovernos, rápida delapidação dos cofres do estado e crescimento da pobreza, apaziguados década e meia mais tarde com os fundos que chegavam de fora e com a primeira estabilidade governativa após o Estado Novo.

Findos os fundos, instala-se a crise que vai muito além da económica. Crise política, social e moral de um país velho mas que ainda não sabe nem se deixa governar.

Um feriado que celebra muitos ideais e só ideais. Uma celebração de quase um século de mediocridade governativa de um povo que então se sentava no café a jogar às damas (às damas! nem sequer xadrez) ou à soleira da porta a falar do tempo e que hoje se passeia em centros comerciais ou se senta a ver a bola.

É isto que celebramos.


PS – e não sou monárquico! O que diria se o fosse.

domingo, 27 de setembro de 2009

Direito a ser Português

Neste dia em que o país vai a votos, sento-me no café da esquina com o meu caderno preto. A esta hora matutina já deveria ter votado. Gosto de cumprir os meus deveres cedo para passar o dia livre de obrigações.

Desta vez não o posso fazer. Não pude ir ao meus país e pela primeira vez não mo deixam fazer desde esta ilha. Perdi um direito não sei bem como. Dizem que não o tenho porque não vivo nesse canto. Olho o meu passaporte que diz Nacionalidade Portuguesa.

Tenho interesses em Portugal. Família, amigos, investimentos e um magro fundo de pensões. Não sou sequer emigrante de pleno direito. Escolhi uma figura jurídica que me diz residente em Portugal, domiciliado no Reino Unido. Assim, neguei os meus direitos de cidadão da ilha para manter os do meu país mas não os posso exercer.

Muitos dirão que não interessa, nem vale a pena votar pois tudo seguirá igual. Talvez, talvez...

Tanto andámos para chegar a uma democracia. Mais de oitocentos anos de país, lutas e revoluções para, em trinta anos, pouco mais, ignorarmos as lutas que nos deram os direitos que temos como certos.

Este país que me tira o direito de votar é o mesmo que não me dá oportunidades que outros me dão.

Quando as coisas se complicaram no trabalho, quando a crise se instalou e a o sistema financeiro colapsou, comecei a procurar trabalho. O meu país disse-me que sou muito novo apesar da experiência e provas dadas. Bolas, tenho trinta e três anos, é certo, e mais de dez anos de experiência no que faço, mas a idade é um posto e as provas dadas não somaram rugas nem cabelos brancos e é melhor parecer do que fazer. Tenho no entanto três ofertas na mão de outros países que não constam no meu passaporte.

Esta semana recebi uma carta de Portugal. Tinha pedido informação e preenchido uns formulários para, eventualmente, começar um processo de adopção. A carta desencoraja-me. Não tenho o perfil certo. Sou solteiro e tenho um trabalho a tempo inteiro de responsabilidade. Menciona a dita carta que o processo será moroso e doloroso com grande probabilidade de fracasso. Na ilha não recebi uma carta. Ligaram-me. Agradeceram-me a coragem e marcaram uma entrevista em minha casa. Disseram-me ser difícil mas possível e que o meu trabalho estável e bem pago, bem como a minha experiência com crianças abonarão certamente a meu favor. Coragem foi a palavra de ordem.

No entanto, apesar das grandes frustações que me causa o meu país, sou Português e quero ser capaz de exercer os meus direitos em Portugal.

Enquanto não mo deixam, vou fazendo o meu caminho por onde posso com a certeza de que um dia regresso.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Até a breve

Este canto anda um bocado ao abandono, bem o sei. Não ando com grande vontade de escrever também é verdade. Assim seguirá mais duas semanas porque me esperam as terras douradas das múmias e dos faraós.

sábado, 1 de agosto de 2009

Chegou Agosto

Não é uma grande novidade que vos dou. Chegou Agosto. Aqui na ilha Agosto acordou com cara de Outubro. Mas é Agosto. O rectângulo quase pára. As cidades esvaziam-se e é um prazer passear na cidade que respira após um ano de trabalho. Em Londres não se nota que já é Agosto. A cidade continua cheia de gente e o tempo, talvez guiado pelo bulício da cidade, não se ajustou ao calendário.
Sempre gostei de trabalhar em Agosto. Felizmente sempre me pude dar a esse luxo. É tempo de fechar um ciclo e começar um novo, de organizar as pequenas coisas que o dia-a-dia dos outros meses deixou acumular. Mesa limpa, chega Setembro e parto de férias.
Mas este início e este fim que é Agosto tem para mim um significado mais profundo. O tempo faz-me recuar a 1950 quando numa vila, agora cidade (cidade!) despojada da beleza de outrora, nasceu a minha mãe – início; e onde em 1994, no mesmo dia, à mesma hora, a minha mãe se despediu do meu avô – fim.
Quinze anos, avô, quinze anos. Passado todo este tempo ainda sinto a mesma saudade avô, sinto a tua falta, quero ouvir as tuas palavras sábias, viver a tua entrega, ver os teus olhos da côr dos meus vivaços e espertos. Ano após ano descubro que te amo cada vez mais e encho-me de orgulho quando me dizem que me pareço contigo. És o meu exemplo de vida.
Recordo-me desse dia como se fosse hoje. Nós no Algarve, tu no hospital, tinhas melhorado e disseste-nos Ide!. Mas nessa manhã bem cedo a mãe disse Quero passar o meu aniversário com o meu pai, e a mãe e o pai seguiram viagem. E eu, a minha irmã e a nossa prima ali ficámos. Já noite chega o telegrama e o que se passou a seguir foi mágico. Enquanto as tuas netas choravam e se consolavam, eu saí. Saí e deambulei em silêncio sob o céu coberto de estrelas. Dizem que desapareci um bom par de horas, para mim foi um instante. Nesse momento senti-me contigo, acompanhado e experimentei uma paz que nunca voltei a sentir. Senti que o mundo tinha parado e tudo era perfeito, e essa paz, o silêncio, tudo fazia sentido como se a tua mão estivesse pousada no meu ombro como em criança quando me defendias das ameaças que eu sentia quando passeávamos pelo monte, quer à caça, à pesca ou simplesmente a apanhar o rosmaninho para receber o compasso. Era a mesma mão protectora que sentia na minha meninice.
Mais tarde, falando com a mãe, descobri que também a mãe sentiu a mesma calma. Nós, claramente os que mais ligados a ti estávamos, que bebíamos dos teus valores e da tua sapiência nesta relação entranhada e umbilical, não chorámos a tua morte. Recebêmo-la como uma benção. O fim da tua vida na terra, o início da tua vida em nós.
Talvez por isso o dia e a hora. Escolheste para partir, sei que escolheste, o dia e a hora em que foste pai pela primeira vez. O momento exacto em que geraste vida e na vida da mãe geraste a minha. Provavelmente sabias que nesse exacto momento se abria uma porta que te levaria a nós.
Ainda mais curioso é o facto de neste preciso momento e sempre que me recordo de ti, e são muitas vezes, sentir um pouco dessa paz e a tua mão protectora.
É Agosto, o mês do início e do fim. No próximo fim-de-semana, dia oito, estarei no Porto com a minha mãe a celebrar a vida, as vidas, a Vida porque dia oito é dia de festa. Festa em que participam os que estão presentes e os que vêm dentro de nós.