terça-feira, 15 de maio de 2007

Indivíduo

Do lat. individùu-, «indivisível»
s. m.
1. entidade distinta e separada; 2. pessoa; sujeito; 3. exemplar de uma espécie; 4.ser indiviso;
adj.
indiviso;


Eu sou o Porto, o Porto das ruas cinzentas e frias, do Douro revolto e das cheias repentinas. O Porto das crianças da Sé que brincam descalças ao lado de vidas destruídas. O Porto solitário das colinas, dos labirintos de escadas, do relevo agreste e das casas em ruínas.

Sou o Porto, que tem tudo, mas se fecha em si. Que não se mostra e que não se dá. Um Porto sentido e esquecido mas orgulhoso de si. Um Porto que recebe com frieza os forasteiros, mas ama-os profundamente. Um Porto amante abandonado, criador e criativo.

Sou tudo isto e muito mais.

Há livros e músicas que me assustam porque me vejo neles.

Reconheço-me no "Steppenwolf" de Hesse ou no "Alexis ou le traité du vain combat" de Yourcenar.
Sou o "Ein deutsches Requiem" de Brahms.

Sou tudo isto e muito mais.

Estranho em tudo isto, é que muitas vezes nos achamos únicos, incompreendidos, que sabemos ser melhores que os demais.

Mas quando olho para o Porto, me revejo em Hesse, Auster, Yourcenar, Brahms ou Bach, caio em mim e descubro que mais não sou do que um indivíduo que se julga único. A entidade distinta e separada como diz a definição. Então concluo que nada me distingue dos demais.

Para mim sou único, para um Português sou Portuense, para um estrangeiro sou Português.

Mas no fundo, não deixo de ser um indivíduo, com todas as paixões e desilusões dos demais.

E isso faz-nos unidos na nossa individualidade.

8 comentários:

Ck in UK disse...

tas inspirado hem?

Pitucha disse...

Post interessante. Como dizia Ortega Y Gasset "EU sou eu e a minha circunstância".
Beijos

Melões Melodia disse...

CK - sempre

Pitucha - Obrigado. E nao e verdade? nao somos todos assim?

beijos

125_azul disse...

Por im, depois do post lindo sobre a boda da mana, podes ser tudo o que te apetecer! Beijinhos

Diabba disse...

Hummm (ar nostalgico)...

Vivi no Porto cerca de 25 anos, conheço muito bem aquela cidade, percorri-a a pé muitas vezes, ao Domingo de manhã, enquanto as almas dormiam, gosto de visitar lugares pouco frequentados, o Domingo de manhã é o melhor dia da semana.
Por estranho k possa parecer à minha condição de diabba, adoro igrejas, conheço qse todas as da cidade, lindas, escuras, cobertas de mistério e de história...

beijos d'enxofre

Melões Melodia disse...

Azul - Obrigado

Diabba - eu prefiro calcorrear as ruas do porto a noite, apesar de, nos dias de hoje nao ser possivel. Tambem gosto da cidade deserta pela manha e das igrejas do Porto, se nao as conheco todas, devo andar perto.

Beijos

chiqui disse...

Sera o Porto (o teu Porto??) o "Pais das ultimas coisas"??
Conheco o Porto mal, mas reconheco-lhe um charme inegavel
although...
Gosto muito da luz da minha Lisboa

Melões Melodia disse...

Tambem gosto muito da luz de Lisboa, mas identifico-me com o meu Porto. E e la que me sinto em casa.
Beijos