sexta-feira, 8 de junho de 2007

Preconceitos

Os meus e os dos outros

Quando vemos as coisas de fora, pensamos que tudo tem uma resposta simples e imediata. Vemos tudo com outros olhos de quem não convive todos os dias com determinados tipos de comportamentos e preconceitos.

Não se pode lutar sempre, ainda menos se deve gastar a energia que se tem com quem não o merece.

No passado dei, o que então era para mim, passos de gigante. Virei-me do avesso, fiz das tripas coração, decidi que não podia viver uma vida dupla.

Este objectivo, apesar de não estar vencido a cem por cento, está quase atingido. Uma longa caminhada, feita com esforço para vencer medos e fantasmas, e os preconceitos, meus e dos outros. Não tenho uma vida dupla com os meus amigos, com a minha irmã, mesmo com os meus pais, apesar de ter uma conversa pendente com eles (sempre a evitaram)

No estaminé, infelizmente, não é assim, mas acho que não é aqui que tenho que gastar as minhas energias. Não minto abertamente, porque não o sei fazer, mas oculto. Trabalho num ambiente xenófobo, homófobo, conservador e intolerante. Um ambiente, em que depois do jantar ou de uma festa, os gaijos vao às putas ou a clubes de strip, ao qual sempre me escapo, primeiro, porque nada tem a ver comigo e segundo, porque acho deprimente, humilhante e inumano.

Sei no entanto do que a casa gasta, o que dizem ou o que pensam, e não merecem a minha mínima consideração. Sabem disso, nunca o escondi, mas não quero dar-lhes armas que possam utilizar ainda que covardemente.

Vivemos numa sociedade onde reina o mediano e o mediocre. Faço parte dela, não me posso apartar como fiz no passado, e tenho que confessar que, até hoje, tive muito poucas más surpresas. Ainda assim, tive-as.

Mas, às vezes, não quero dar determinadas informações que podem ser utilizadas contra mim ou magoar os que amo. E é aqui que surge o meu medo.


Não posso hipotecar o meu futuro ou a minha carreira, quando sei que há alguém, mais senior do que eu, à espera de um passo em falso (que não o é) para o fazer. Detrás desta informação, virão as outras. Especulações sobre as visitas regulares ao médico no passado, o mau aspecto, coisas enterradas que podem ser muito mal utilizadas para me atacarem. Acima de tudo, gente má e invejosa, que pode magoar de forma extrema quem mais amo.

Mesmo na família, a minha irmã, a melhor meloa que existe na face da terra, decidiu que a abécula com quem se casou, não deve saber, porque pertence ao mesmo grupo de gente dos que estarão no tal casamento de Julho e gosta muito de falar. Por isto, infelizmente, a minha cara metade mais que tudo não assistiu ao casamento da mana.


Se estou a ser cobarde, digam-me onde que não percebo. Toda a gente tem direito a proteger-se e a proteger os que mais ama. Infelizmente não fiz nada de mal, não errei, mas apesar de hoje ser melhor do que ontem, ainda sofro na pele.

8 comentários:

Diabba disse...

ok, devo ser pouco inteligente!ou então tu és um melão-enguia.

Escreveste muito, não percebi nada!

Percebi apenas que há algo na tua-cara-metade-mais-que-tudo que não pode ser visto por quem te pode prejudicar... pensei em cor, será? se for, desculpa mas estás a ser um melão podre!

Todavia não posso esquecer o ditado popular "quem está no convento é que sabe o que vai lá dentro"

beijo d'enxofre

Melões Melodia disse...

Diabba - nao, nao e cor. E se o melao esta podre ninguem tem que o comer, pode-se sempre deitar fora. mas ninguem sabe como e um melao ate abri-lo.
Beijos

Melões Melodia disse...

Ah - provavelmente a foto dos patinhos levou-te ao engano. E so para mostrar um diferente no meio de iguais.
E a minha cara metade lida muito pior com isto do que eu. Teve um longo provesso em tribunal (mais de 10 anos) que terminou ha um mes e as feridas ainda estao muito abertas. E tudo isto porque e como eu e eu como ele.
beijos

chiqui disse...

De facto vivemos numa sociedade muito preconceituosa. Contra tudo o que e diferente. E, na maior parte das vezes, o preconceito existe simplesmente porque algo que foge da norma. E ponto final. Como se isso validasse a estupidez, a mediocridade.
Sem querer ter tiques de emigrante, mas tendo-os mesmo assim, posso dizer-te que sair de Portugal, para mim, me fez ver a socidade "pequenina" que somos as vezes. Que a intolerancia reina no meu pais.
Protegeres a tua intimidade, a dos teus, nao faz de ti um cobarde. Cobardes sao aqueles que teimam em nao aceitar que todos somos diferentes.
1 beijos muito grande

Melões Melodia disse...

Chiqui - As vezes acho que Portugal neste sentido nao esta nem pior nem melhor que outros paises. Quanto aos US nao posso falar que so conheco de visita, mas dos sitios onde vivi ou passei largas temporadas, Portugal esta bem a frente. Em Portugal as pessoas falam muito nas costas, mas no fundo querem la saber. Em todos os amigos, so tive uma ma reaccao e mesmo essa ja passou, e olha que nao e um grupo pequeno que o sabe. Piores comentarios, ouvi eu em Espanha, Franca, aqui e, especialmente, na Holanda - quem diria! A minha cara metade, em Espanha, sofreu muito com um processo por umas herancas em que utilizaram a informacao muito mal, e ele na altura era adolescente. Ainda assim, ate acabar o processo, que felizmente acabou bem, tivemos que esconder tudo porque nunca sabes quem e o juiz que te vai sair a frente, e isto e Espanha, um pais liberal, pensamos nos.
Mas o que mais me incomoda e que tenha de me defender ou agir de outra forma quando nao fiz nada para provocar. E uma luta estupida, sem sentido, mas o mundo nao se muda em dois dias. As vezes desejo que esta sorte lhes bata a porta, nao devia, mas nao o consigo impedir.
Beijos

AEnima disse...

Meu querido,

Obrigado pela estalada publica. Andava a precisar.

Continuo a achar que aos poucos se vao ultrapassando barreiras, e sao os corajosos que as quebram os martires da sociedade. Eu nao quero que sejas um martir. Nao. Nunca. Nao sei fofo, mas la encontraras a melhor maneira. A tua. E nao sera cobarde, concerteza.

PS - como e' que uma meloa casa com uma abecula? Ai que so a mim nao me aparece um amor arrebatador destes!

Beijo

Melões Melodia disse...

Aenima - tenho que confessar que houve comentarios que nao me fizeram muito bem, mas afinal ha sempre pressoes de todos os lados, nada a que nao esteja habituado. mas foi o suficiente para tirar-me o sono. Felizmente reencontro-me facilmente. Acima de tudo, acho que se estivesse no teu lugar diria a mesma coisa. pode ser que depois de ter a situacao resolvida, de-me conta de que nao havia razoes para tais dores de cabeca. Como quase sempre.
beijos

AEnima disse...

Sou uma exagerada... tenho sempre o coracao ao pe da boca. Desculpa que nunca quis tirar-te o sono. Eu sei o que eu faria. Sabes, cada um luta as suas batalhas 'a sua maneira e la porque eu estou aparentemente dentro da norma, tambem nao significa que nao tenha que travar algumas volta e meia.

Hoje em dia, ja so dou gracas a Deus por ainda estar viva e ter os meus pais e pessoas que adoro 'a minha volta. Sou um bocado inconsequente no resto. Faco o que dita a minha consciencia e passo a vida a foder-me ou a apanhar facadas nas costas... mas que se lixe. Eu tenho-as largas... eu posso com elas.

Beijo