sábado, 1 de setembro de 2007

Nada!

Sei que há muitos de vocês que não se sentem confortáveis com esta rubrica do longo Inverno.
Eu, no entanto, sinto que esta é a hora de expurgar o meu passado, as minhas dores.
Estando em casa a remexer nos meus papéis encontrei um texto que escrevi há dez anos. Deixei-o pousado na minha secretária e os meus pais viram-no e leram-no.
Quando cheguei a casa, estavam os dois com os olhos inchados e o meu pai começou a chorar. A minha mãe só me pergunta se estou bem, enquanto o meu pai depois de um longo silêncio me diz: "Amamos-te muito faças o que faças, sejas o que sejas. Para nós tu és tudo."
Hoje, quando reli o texto, apercebi-me da imensa dor que levavam dentro e que sabiam que de mim não arrancariam uma palavra pois eu fechava-me no quarto com as minhas músicas e os meus escritos.
Hoje peço-lhes desculpa e deixo aqui o texto como que a dizer – já senti assim, mas, graças a vocês, hoje nem sequer assim penso.
Mas aqui o deixo porque não deixou de ser uma fase difícil e importante da minha vida. E porque um dia me senti assim.


"E o Sol, escarnecendo de mim, brilha lá fora.

Não percebe a agonia, a dor, daquele que tudo tem e nada possui, daquele que ama acima da compreensão dos homens.

Brilha, tornando a dor mais forte, mais aguda.

Porquê assim? Porquê ser incompreendido por todos os que amo? Para quê viver assim na dor, na angústia, no desejo de deixar escurecer o Sol, da vinda das eternas trevas, Valerá a pena?

Que vim eu aqui fazer? Já estive tão perto de não ter aqui vindo, qual será o fim pelo qual terei lutado, qual o grandioso fim que não me fez desistir, já que desistir é sempre mais fácil?

Quem me dera sabê-lo.

Eu, que devido à minha condição humana não poderei nunca vir a ser feliz, porque terei lutado?

Para fazer felizes os outros? – seria nobre, mas sendo infeliz, pobre de espírito, não poderei alcançar tão alto e nobre desígnio.

Afinal que faço aqui? Sofro, choro, sobrevivo, arrasto-me já morto e velho, apesar de o meu corpo contar vinte anos apenas.


Mas estou triste, velho, incapaz de me levantar. Caí na mais profunda dor e no mais agudo desespero que me dilaceram a alma e ma esmagam e espremem.

E nesse espremer, nada vejo por mim realizado de bom. Vinte anos de vitórias e uma vida de Derrota.

Teriam sido vitórias?

Por vezes convenço-me de que me fizeram acreditar que eram vitórias, que eu era alguém que poderia ainda vir a ser feliz.

Mas fazendo a retrospectiva vejo o nada. Uma vida que me construiu para os outros mas que me fez para mim o nada. Só construiu uma ânsia de não sei quê, um sentimento de vazio e perda; uma construção balofa, sem alicerce, sem interior, só fachada.

E é nesse vazio que não me suporto, mas porque não conseguirei eu enchê-lo?

Se calhar nem eu me conheço, descubro-me agora e o que vejo é nada, um monte de imagens criadas, belas sem dúvida, mas que não são absolutamente nada, Nada!! E logo eu… que me fizeram julgar ser tudo… Sou Dor! Tristeza! Amargura! Nada!!!

Sou um ser feito para estar só, chorar a vida inteira à espera que o Sol deixe de brilhar e se pouse.

Como é confortável para mim a ideia do anoitecer, do anoitecer para sempre, do apagar eterno.

E o nada passa a ser nada. E quando o Sol tornar a brilhar já não escarnece de mim pois o nada em nada se tornou, mas num nada sem imagem, sem fachada, realmente o verdadeiro nada. A forma mais bela de se estar, de se ser.

Entretanto Espero, Choro e Sofro!"
Melões, 28 de Fevereiro de 1997

24 comentários:

Diabba disse...

Mas o sol já brilha e, tanto assim é que, começas a deitar fora as recordações mais tenebrosas.

Porque publicar aqui, é uma forma de deitar fora!

Olha, afinal os blogs, tb servem para nos desfazermos de angústias guardadas!!

beijos gordos d'enxofre

Anónimo disse...

Melão está a dar no canal 1 o festival da aviação no Douro e logo vai dar o concurso de danças de salão com a nossa Sónia Araújo directamente de Londres às 20 horas de certeza que ai também dá.Beijinho depois escrevo tenho que ir fazer os trabalhos de férias das minhas aulas de desenho e pintura.FIFI

geocrusoe disse...

Julgo compreender a dor que os teus pais sentiram, mas sem saber a causa exacta, julgo que também te percebo, por já me ter sentido igual, pelo menos genericamente, pois cada um tem pormenores que são únicos. Talvez daí o facto de seres guerreiro e foi isso outra das coisas que me cativou neste espaço, a capacidade de lutar para ultrapassar e sobreviver, mesmo viver mais do que muitos que por aí, sem se aperceberem, apenas vegetam...é por isso que VIVES e marcas quem convive contigo, mesmo através de um blog.

AEnima disse...

Ja li. E ainda nao consigo comentar. Ha coisas que batem. E este, prefiro passar.

chiqui disse...

tanta dor neste texto..

amigona avó e a neta princesa disse...

Queria dar-te a mão e abraçar-te num longo e doce abraço...queria dizer-te, agradecer-te por seres assim...queria, muito, muito de mansinho dizer-te: OBRIGADA!

Anónimo disse...

Apesar de ter muito que fazer,não posso deixar de te dizer que isso tudo ou quase tudo pode simplesmente chamar-se de CRESCER.Crescer fisicamente porque lá para os doze o nosso corpo vai mudando, até lá para os vinte e tal em que as nossos formas estás moldades definitivamente.Espiritualmente é muito dificil esta luta entre meninos e homens,queremos tudo que os grandes fazem mas não nos é permitido,queremos ser como eles ,mas, não sabemos como,queremos ser independentes para fazermos tudo que nos vier à cabeça mas como é impossivel surge a revolta e a melhor maneira é o isolamento e o amor infinito â nossa pessoa,além do sentimento de pena.Todos passamos por isto uns mais porque são mais sensiveis e mais carentes,outros mais descontraídos que levam isso com uma perna às costas.Eu senti e por vezes ainda sinto(sim que isto de crescer é até morrer principalmente no intelecto)tudo da mesma maneira,com a diferença de numca me ter libertado dessas amarras como tu.Gostava de ter tido a mesma coragem, de certeza que seria mais feliz.Também descobri depois de ler muito sobre o assunto que este mau estar que sentimos na vida de estarmos a mais já vem da barriga da nossa mãe,e quando nascemos é muito dificel para nós filhos aguenter este fardo.Deixa lá na nova reencarnação vamos nascer com mais
positivismo e até lá deixa-te envolver pelo mundo e por aquilo que ele te possa dar.BEIJ..........................da FIFI

Melões Melodia disse...

Diabba - e e um alivio com cada bocadinho que vou deixando.
Beijos

Fifi - sim deram aqui os dois eventos, e sinceramente, gostei de ver o Porto, cheio de gente e com o Sol a brilhar.
Beijos

Geocrusoe - Obrigado pelo teu comentario, mas ha alturas em que somos tao egoistas que nos esquecemos que nao somos os unicos a passar um mau bocado. Mas isso e crescer. E felizmente e aprender a dar valor a vida, ou viver, como tu bem dizes.
Abraco


Abraco

Melões Melodia disse...

Aenima - por isso a minha nota do inicio - sei que nao e confortavel, mas e o que foi.
Nao queria angustiar ninguem com o texto, mas quando o encontrei e o li ontem de manha, sabia que o tinha de deitar ca para fora e como diz a diabba, o meu cantinho serve bem para isso.
Um beijinho

Chiqui - muita, mesmo... mas agora quando o reli, nao vi a minha dor, vi a dos meus pais que se sentiam impotentes e incapazes de fazer algo ou sequer de se aproximarem que eu nao lhes dava espaco. E so ontem e que reparei nisso em relacao ao espisodio deste texto.
Beijos

Melões Melodia disse...

Amigona - Aceito o teu obrigada porque te vejo do outro lado da barreira, conheces o outro lado da dor, porque de resto nao ha nada que agradecer, eu e que tenho que agradecer aos meus pais por terem sido sempre quem sao. Meus PAIS com letra grande.
Um beijo

FIFI 2 - Sim, mas ha formas e formas de crescer, por vezes acho que nao deveria ser tao violento. Afinal tive uns dez anos da minha vida que nao foram viver, foram antes anos de enganar a vida. Quando olho para tras, vejo que aprendi muito, mas na minha cabeca de adolescente, as perguntas multiplicavam-se e nao havia respostas. Ate que descobri que nao temos que ter respostas para tudo porque a solucao esta nas gentes a nossa volta.
Beijos

chiqui disse...

Sim tens razao. Nao consigo nem imaginar a dor causada pelo sofrimento de um filho, bem como a sensacao de impotencia de nao poder ajudar. Apesar de eles ajudarem sempre. verdade??!!
beijos querido melao

Ck in UK disse...

Vinha eu aqui insultar-te por causa do amigo da onca q me saiste, e vejo isto....

Melões Melodia disse...

Chiqui - claro que ajudam sempre... sao pais.
Beijinhos

Cilinha - tambem quem e que te mandou vir aqui no dia dos teus anos?
E olha, sabes que me lembro bem de uma conversa que tivemos ha muitos anos atras, quando eu pensava assim... foi no capas - uma bela chapada mas bem merecida.
beijos

125_azul disse...

Só posso ficar feliz por o sol agora brilhar e isso te fazer sentido...espero que estejas melhor do febrão, este é o nosso mês especial, tens que estar em forma.
Beijinhos, semana feliz

Melões Melodia disse...

Viva!
Pois a febre ja passou, mas agora estou sem pio...
o que preciso mesmo e das duas semanitas de ferias que se avizinham.
Beijinhos e uma excelente semana para ti tambem

Anónimo disse...

Como foi possível teres pensado que não eras "ninguem", ou que não era possível gostar de ti conforme tu eras (segundo a tua descrição)!!!!
Já te conheço há alguns anos, e não podes imaginar como fostes, e continuas a ser importante para mim. Se deixasses, és uma pessoa pela qual qualquer ser humano se apaixonaria, não podes imaginar as sensações fantásticas que provocas naqueles que te rodeiam, só que muitas vezes afastas... . Tu fostes e serás sempre, alguém que eu desejaria ter a meu lado, mas que o destino não o permitiu. Sorry!!! foi um desabafo.
Força baby!

Melões Melodia disse...

Anonimo - quem es? Deixaste-me muito curioso, tenho algumas ideias de quem possas ser mas nao tenho a certeza, por isso acusat-te por email.
De qualquer forma gostei das palavras.

Miosotis disse...

Deus meu! Como escrevias bem!!

E que difícil tormento foi essa tua adolescência para ditar um texto tão lancinante!

Felizmente que hoje te sentes outro... passaste a 'ponte' para uma margem mais soalheira, tal como o dia de hoje!

Hoje... que dia lindo!! E logo hj q recomeço o trabalho!!

Complicado Agosto! Incrível Setembro este! Nem me fales em Inverno... 'va de retro'!!!

abraço,

Anónimo disse...

É claro que sabes quem eu sou!!!, no entanto, prefiro que fique como está, no anonimato, pois se me conheces, sabes que eu também sofro por não me conseguir libertar da minha timides, e por não ser valorizada, raios!!!! não é esta a palavra..., estás a vêr!, a palavra é mesmo AMADA, como desejaria.
Mas olha, como escreveu Stendhal, "Deseja tudo, Espera pouco, Não peças nada".

Melões Melodia disse...

Miosotis - Obrigado. Todos temos umas juventudes dificeis, nao, uuns mais que os outros e uns suportam melhor do que os outros, mas sim, esta sol (ate aqui) e que se aguente que eu sabado quero ir de ferias...
Beijos

Actriz Principal disse...

E desde quando é que te incomodas pelo facto de haver quem se sinta incomodado com a tua rubrica "O longo Inverno"?
Maior, o blog é teu, faz dele o que quiseres! És educado, não atacas ninguém, não revelas nomes.
Ainda que eu prefira ler... e seguir sem comentar...
Já na altura escrevias bem!
Beijo, demorei muito a tornar-me mais desprendida, sabes? Deveria ter aprendido contigo, mais cedo.

Melões Melodia disse...

Actriz - eu nao me incomodo, mas e como nas noticias - avisamos que as imagens que se seguem podem ferir susceptibilidades, e eu nao quero, que como podes ver em alguns comentarios, ha gente que nao lida bem com isto.
Eu quero la saber, se fossem historias tristes, mas sao historias de pequeninas vitorias. e isso de me desprender, que remedio minha amiga, senao o final tinha sido outro.
Beijocas.

AEnima disse...

Temos que mudar este post!!! Ouvi dizer que estas pertinho de fazer as 31 meloadas tambem! Temos que por espirito de festa!!!

Melões Melodia disse...

Aenima, fofa, claro que vamos mudar o tom ate porque ja fui saber daquilo e as noticias sao boas.
Beijocas