quinta-feira, 25 de outubro de 2007

A Cara Metade, Madrid e a Mochila

Uma vez mais quero falar de tantas coisas que passaram estes dias que não sei como fazer ou se terei algum sucesso.

No fim de semana passado esteve aqui a Cara Metade Mais Que Tudo. Foi um excelente fim de semana. Muito frio, mas aquele sol baixo de Outono que dá uma côr especial a tudo o que nos rodeia. Foi um fim de semana de muitas conversas. Falou-se dos amigos e do futuro.

Cilinha, estiveste muito presente nas nossas conversas, pelo teu avô, pela tua gata, pelo teu casamento, por ti. E a Cara Metade fica-me com aqueles olhos brilhantes de criança que bem conheces postos em mim e sinto que sofre contigo. Queria estar contigo, não pôde. Fica para a próxima.

Passeamos no parque, vimos veados, demos de comer aos esquilos, aos patos, aos cisnes, aproveitámos os fins de semana ao máximo. Apesar de tudo nunca programamos o que quer que seja porque gostamos que seja o tempo e a vontade do momento a ditar os acontecimentos.

O futuro foi uma constante nas nossas conversas. Estamos cansados desta vida, aqui, ali e acolá e em lado nenhum. A Cara Metade está desesperada por unir os trapinhos. Di-lo todos os dias e a toda a hora. Eu também quero, mas... ...porque há sempre um “mas”... ou muitos “mas”...

e mais uma vez, a Cilinha está sempre presente para me lembrar dos “mas”. Além dos “mas” normais, enquanto a trabalhos e carreiras, há os outros. Há por um lado a minha enorme independência, o gostar de estar só; como há conversas pendentes, muitas, com muita gente e um segredo do passado, que de acordo com a Cila tenho de contar. E apesar de ser um segredo com um fim bonito, tem um lado muito negro, que se o consigo expôr neste canto, ainda me é difícil de falar dele abertamente com quem quer que seja, porque não gosto de chorar em frente das pessoas, mas porque não consigo manter-me a pessoa calma, racional e fria, que muitos me consideram quando abordo o “longo inverno”.

Depois do fim de semana fui a Madrid. No mesmo vôo ia uma pessoa que conhece o meu segredo de um ponto ao outro porque o estuda. Sabe provavelmente mais da minha vida do que qualquer outro. Imagino que se tivesse um psicólogo ou psiquiatra, não lhe contaria metade, mas a este, pelo nobre trabalho que faz, conto tudo. Tive medo que ao sair do aeroporto desse de caras com a Cara Metade e se descaisse com o “longo Inverno”, mas não. No entanto, cada vez se torna mais claro que temos que partilhar tudo, não só as coisas boas, mas também as más.

A razão da minha ida a Madrid foi a visita a um cliente que ia apresentar o seu plano estratégico para os próximos três anos. Claro, aproveitei para tratar de outros assuntos mais pessoais e olhar pelo futuro. Mesmo sem Sol, dei-me conta do quanto gosto de Madrid e que me facilmentevejo a viver por lá.

Mas como não podia deixar de ser, a viagem terminou com mais uma de muitas aventuras de aeroporto.

O cliente deu a toda a gente que assistia ao evento uma mochila térmica. Lá a meti como pude dentro da mala e segui até ao “security control”. Param-me. Ora bolas, mas que raio é que se passa agora, tenho a pasta de dentes, o desodorizante e a espuma de barbear num saquinho de plastico à parte, e dentro da mala vai uma camisa e uma muda de roupa interior (já usadas). Olho para o monitor e vejo que a minha mala acusa, facas, garfos, un canivete e um saca-rolhas!

Pois, o idiota do cliente ofereceu uma mochila térmica para pic-nic. Lá dentro havia dois pratos, dois copos, saleiro e pimenteiro, uma tábua de cozinha, talheres para duas pessoas, um saca rolhas e um canivete. Mas vinha tudo tão bem embrulhadinho que nem me passou pela cabeça que pudesse vir tanta arma branca lá dentro.
Eu bem que dizia: esta mochila deve ser feita de chumbo que pesa... deve ser porque é térmica.

Digo eu embaraçado: Ah sabe, es que ha sido un regalo de un cliente y no sabía lo que había dentro.
e diz-me a senhora: Pues, pero usted debria saber que no puede traer cosas que no sabe que son.
E respondo eu: Tiene toda la razón, se puede quedar con los cubiertos, la navaja y el saca-corchos, que además tengo cubiertos en casa.
Ela chama um policía que lhe diz: quédese con el saca-corchos, pero déjelo pasar con los cubiertos y la navaja. Al final, si se va a un restaurante dentro de la terminal, también puede coger unos cubiertos.


E depois o polícia olha para mim e diz-me: Joder, que ya eres el tercero con la puta mochila esa!

E lá fiz eu um vôo Madrid Londres com duas facas e um canivete na bagagem de mão.

Viva a segurança dos aeroportos!

20 comentários:

125_azul disse...

E à chegada, sem problemas? A Cila é que queria um segurança desses no aeroporto do Puerto, carago! Esse não a obrigava, de certeza, a deitar fora o liquído das lentes de contacto. E olha, se ela diz para partilhares, partilha. Quem te ama assim, amará também os teus segredos, ou não será digno do teu amor. Confia, a miúda costuma ter sempre razão. Olha que até o Elvis ela conseguiu convencer a dar o nó...
Beijinhos

Melões Melodia disse...

125 - pois problemas zero a chegada. e logo eu que nem passo pelo passport control. Vou a uma maquineta que me le a iris e "voila" do outro lado da barreira.
Pois que a Cila tem razao, bem sei, basta ter dois dedos de testa para ver que e a melhor opcao, mas ha conversas que parecem dificeis de se ter e nunca parece o momento apropriado.
Beijos

Carlota disse...

Pois assim não admira que andes cansado... :)
Olha, fiquei impressionada foi com o teu espanhol. Eu só consigo responder aos espanhóis em inglês ou em francês... :S
Beijola.

Melões Melodia disse...

Carlota - o meu espanhol e fruto de ter vivido la um anito, ter clientes em Espanha, ter que fazer apresentacoes em espanhol, e Cara metade espanhola. Claro, e tudo isto (a excepcao da cara Metade) tambem se passa com Ingles e Frances - isto de viver em 6 paises tem muito que se lhe diga, mas cansa muito e quem sofre e o portugues.
Beijos

Play Girl disse...

Segurança? Qual segurança?! é impressionante.

Melões Melodia disse...

Play Girl - bem vinda. Pois, nao devo ter cara de terrorista, o problema e que ninguem a tem.
Beijos

Anónimo disse...

Quem é que faria ou pensaria mal a essa carinha de Menino Jesus,só se fosse a Diaba,mas, essa tu deves saber dar a volta.Quanto ao resto deves contar o mais depressa possivel,vais sentir um grande alivio,e se a cara metade te ama de verdade, vai saber como te ajudar a esquecer esse longo Inverno,e fazer dele um lindo dia de sol.Força.Beijos da FIFI

Diabba disse...

Confessa!!!! Tu andas a treinar para terrorista, pões esse arzinho de anjo papudo e lá vais passando as facas!!

Volto mais tarde, para comentar o resto, agora vou cuidar da alforreca.

beijo d'enxofre

amigona avó e a neta princesa disse...

Não me apetece falar na mochila! Apenas dizer-te como é bom estar aqui contigo a ler-te e a imaginar a tua Cara Metade Mais que Tudo!

Melões Melodia disse...

FiFi - a questao e - contar para que se foi tudo resolvido antes de conhecer a cara metade e o problema ja nao existe? bem talvez um pouco na minha cabeca.
Beijos

Diabba - tu nem me fales que quando me mudei para madrid houve os atentados de madrid, depois para londres e houve os de londres - agora com facas nos avioes - e so somar dois mais dois.
Beijos

Amigona - a mochila nao tem ponta por onde se lhe pegue. Quanto a cara metade, vamos la ver se resolvemos tudo no proximo ano.
Beijos

Diabba disse...

(depois de ler os comentários)

Eu não contaria nada à cara-metade-mais-que-tudo... para quê? para meteres areia numa engrenagem que funciona bem?

beijos d'enxofre

geocrusoe disse...

Um final feliz para um preocupante início. Confesso que me diverti imenso com a foto, não sei se é realmente a mochila em causa, mas se o é que grande stock de munições! Quanto a segredos, conta o que quiseres e quando quiseres (mesmo que seja nunca), quem não te respeitar numa ou noutra opção, sabendo algo tenebroso de ti ou não, não merece a tua amizade. Para mim o importante é que saibas respeitar os outros hoje tal como eles o são e, neste caso, mesmo que tivesses sido algo de muito mau ou optasses por algo não aceite socialmente, continuas a merecer o mesmo respeito.

AEnima disse...

Mas essa mala deve ser mesmo bues de gira... nao e' que a malta toda a usou? E assim com tanto arsenal escondido... o teu cliente e' o Sport Billy?

Melões Melodia disse...

Diabba - mas tens de compreender que nao e um segredito de trazer por casa, apesar de eu achar que nao traz nada de valor acrescentado a relacao.
Beijos

Geocrusoe - A mochila nao e a da foro mas e exactamente igual. O segredo nao e tenebroso, mas nao e confortavel. Tudo depende de mim. se consigo viver com ele guardado ou nao.
Abraco

Aenima - eramos uns cem entre analistas e investidores, metade deles trabalhando em Londres. Por isso podes imaginar, todos com a mochilinha a passar pela seguranca.
Tenho a certeza que a minha nao foi a ultima. e concerteza os guardas do aeroporto a esta hora estao todos a fazer a festa do saca rolhas.
beijos

Diabba disse...

Exactamente por não acrescentar nada é que deves manter a boca fechada! Só vais lançar dúvidas e suspeições "porque é que não me contaste antes?" "o que tinhas a esconder?"

Continuo a achar de deves manter o bico fechado! Eu manteria, para quê mexer em assuntos que estão mortos e enterrados?

Beijos d'enxofre

Melões Melodia disse...

Diabba - Pode ser que tenhas razao, afinal sao quase tres anos sem abrir o bico, porque agora?
Beijos

chiqui disse...

Bem apesar de eu pensar que a honestidade, que "coming forward" e sempre melhor... nao me parece que vas alcancar nada de novo com a tua cara metade rebuscando coisas do passado (que me parece esta mais que enterrado).

A historia da mochila... LINDA!!
A sua sapiencia do espanhol...
pues, increible! ;))

Melões Melodia disse...

Chiqui - pois e verdade, eu nao gosto de ter coisas entaladas, mas tambem nao gosto de falar de certas coisas.
Quanto a mochila, ja ves! Ainda por cima madrid e londres, duas cidades que nao estao na mira dos terroristas.
Beijos

Ck in UK disse...

hehehe
obrigada pela referencia.
eu chateio-te , mas no fim a decisao e sempre tua, nao e?

tu la saberas o q fazer.

Melões Melodia disse...

Cilinha - eu sei la o que fazer - ou tiro a pedra do sapato, ou deixo o pe ganhar calo.