sábado, 8 de dezembro de 2007

Respeito e censura


Se há coisas que aprendi com o tempo, foi a não deixar-me chatear com o que não merece.

E há algumas histórias que se não fossem para chorar, me fariam rir. Quer dizer, ainda fazem...

Acho fabuloso a facilidade com que as pessoas falam umas das outras sem se conhecerem. Fazem juízos de valor e julgam com uma facilidade, mostrando factos tirados daqui e dali, mas sem terem, realmente, estudado o que comentam, e mostrando uma superficialidade nos seus comentários que me assusta. Porque acima da liberdade de expressão, está, para mim, o direito ao respeito e à dignidade, dignidade essa que é o lema do meu canto, justificando por si só a minha gestão do espaço.

Há quem não concorde com a minha opinião. Muito bem, se fundamentado. Vejo um mundo com os olhos selectivos, onde quero exaltar o que há de bom. A vida assim mo ensinou e deu-me muito por acreditar. Terei ficado um romântico? Sim,... posso até ter uma visão romântica do mundo, apesar de me achar bastante analítico (uma crítica que me fazem muito regularmente). Há pessoas que me chegam a chamar cerebral. Não sei porque será. Talvez uma defesa que usei muitos anos para esconder as emoções e não sofrer que terá deixado algumas sequelas.

Amo o meu país, amo a minha língua tal e qual ela é, respeito a minha integridade e não fujo aos meus princípios.

Sempre fui educado com respeito e fui respeitado em casa. E é esse respeito que devo a toda a gente que me rodeia. Quem não me respeita, merece ainda o meu respeito mas não merece o meu tempo.

Seja Português ou não, fale a língua de Camões, de Pessoa, de Saramago, de Amado ou de Mia Couto, de Pepetela ou Arménio Vieira, ou fale outra qualquer língua, merece igual respeito.


Não respeito é insultos gratuitos, nem tenho que conviver com opiniões das quais discordo. E por gostar de educação, de sensibilidade, de bom senso e acima de tudo de argumentos construtivos, por tolerar diferenças culturais e acima de tudo, por defender a diversidade, não posso tolerar, num espaço que é meu, discussões absurdas em que a razão não aparece e se exponenciam divergências. E antes de qualquer censura, censurada por outros, dei a minha explicação aos visados. Uns agradeceram, outros entenderam e isso basta-me.


Posso até viver longe do meu país, mas sei o que nele se passa. Leio os jornais portugueses, mas também os outros, e por, felizmente, ter vivido em Madrid e viver em Londres, onde impera o mau jornalismo, aprendi a separar o trigo do joio.


Quanto ao meu país, como já o disse, tenho uma visão isenta, de quem vê o que se diz cá dentro e o que se diz lá fora. E venho cá todos os meses.


E apesar da muita estupidez que se vê por aí, continuo a acreditar nas suas gentes, na sua cultura e na sua abertura. Sem manipulações da imprensa sensacionalista e sem o pessimismo generalizado dos demais. Acredito que temos que gastar as nossas energias onde relamente vale a pena. Aos demais, que sejam felizes.


Serei romântico? Creio que não.


Sou unicamente fiel aos meus princípios.

12 comentários:

AnAndrade disse...

Sabes o que costumo dizer, na minha sala de aula: "Democracia? Democracia é daquela porta para fora, que aqui quem manda sou eu!".
Os miúdos no início assustam-se (e devem chamar-me nomes de caixão à cova) mas depois percebem.
O teu espaço é teu. A tolerância é muito bonita mas não funciona sempre. Há coisas que não se toleram nem devem tolerar-se. E muito menos dentro das "nossas portas".
Não sei se és demasiado cerebral, se és romântico (acho que não se excluem mutuamente, estas características). És correcto, porque fundamentado, sim. E porque te construiste (não acredito em hetero-construções, tão somente) como ser. Humano. (Há poucos por aí). Gostei muito do que li.
Beijos.

Afrika disse...

Muito bem, concordo plenamente...
beijinho boas ferias e ate já.

125_azul disse...

Ora nem mais... Tens mail. Beijinhos. E um Natal feliz para ti também

calamity jane disse...

Bom, a minha Azulinha roubou-me as palavras. Mas eu fiquei com elas na mesma: ora nem mais.
E um beijão pra ti. Espero que estejas a preparar a coisa convenientemente para ñ te baldares no dia previsto. E traz a CK. Se for preciso, traz mais quem quiseres :-)

Melões Melodia disse...

AnAndrade - Sem mais, democracia e essencialmente respeito e isso por vezes esquece-se e confunde-se liberdade com ma educacao.
Um beijinho

Afrika - obrigado.
Um beijinho e ate ja!

Azulinha - ja vi o mail. Ca estou a tentar organizar-me.
Beijos


Calamity - Se te roubam, vamos atras dela que roubar tambem e censurado no meu cantinho.
Beijos

Mocho Falante disse...

E mais nada, e assim mesmo é que é e deves continuar a ser, afinal a liberdade é uma coisa fantástica quando usada como deve ser

um grande abraço

Melões Melodia disse...

Mocho - ora nem nais.
Um abraco

amigona avó e a neta princesa disse...

Meu querido até me assustei quando li o título...pensei que tinha havido algum problema com o blog!
Quanto ao que disseste, acho que fizeste um post muito bonito sobre direitos humanos! Falaste em respeito, valores, amizade...fica bem e tudo de bom...

disse...

Olha, continua mas e' feliz... so porque sim!
Bjnhos e bosa festas ;)

Ck in UK disse...

Estiveste bem.
Acho que o comentario as vezes sai sem ser pensado, e muitas vezes pode ser agressivo.

Nao vou dizer mais porque ja falamos extensivamente deste assunto por telefone

Melões Melodia disse...

Amigona - Obrigado. Tudo de bom para ti tambem.
Beijo

Be - Estou a fazer por isso. boas festas para ti tambem.
Beijo

Cilinha - pois ja falamos. E o que da escrever sem conhecimento de causa.
Beijo

Maçã com Canela disse...

Gostei muito de te ler..
Digo já.. concordo plenamente!

Aromas em ti