domingo, 20 de janeiro de 2008

O mundo em que vivemos

Ontem foi um dia triste. Triste, muito triste.

Soube que um dos meus meninos morreu. Na terça-feira, quando os fui visitar, ali estava ele. Magrinho, com aqueles olhos negros, enormes, cheios de vida e de energia. Brincalhão como sempre. Uma pneumocistose levou-o em três dias.
Sei que, trabalhando com estes meninos, isto iria acontecer mais cedo ou mais tarde. Mas por muito que nos julguemos fortes, por muito que nos preparemos, é difícil.
É uma criança. Deveria ter o futuro pela frente e pensava que o tinha.
A sorte destas crianças é que não sabem a gravidade do mal que as atinge. Que estão ali porque nao respondem aos tratamentos, que estão ali para morrer com serenidade e sem dor à espera de um milagre que acontece a muito poucos afortunados.
Este menino, ao contrário da maioria dos que ali estão, tem pais que sofrem da mesma doença, mas cujo filho os fez lutar contra a vida e dependências que os levou ali. Perderam a vontade de lutar porque perderam o motivo. Assim, em vez de ver uma vida perdida, deparei-me com três. A do menino e a dos pais.

Falei com o médico destas crianças. Contou-me outra história que já tinha ouvido, mas não conhecia na primeira pessoa.

O hospital vai acolher um novo menino um tanto diferente dos demais porque responde aos tratamentos. Tem quatro anos. Nasceu cá porque a mãe, quando engravidou na Nigeria, fez tudo para vir ter a criança a Inglaterra devido à qualidade e disponibilidade dos tratamentos.
O visto da mãe não foi renovado e a senhora tem de regressar à Nigéria. A criança pode ficar em solo Britânico.
Esta valente mãe sabe que o regresso à Nigéria é uma condenação à morte. Mas o amor de mãe, este gigante amor de mãe, é sofrer se isto significar um futuro melhor para o filho.
Como é de prever, a senhora vai regressar à Nigéria só. Vai deixar o filho "órfão" neste país, porque ele cá pode viver uma longa vida e na Nigéria estará condenado à morte como a mãe, quer pela situação do país, quer pela falta de tratamentos.
Que se faz, que se diz?
Uma criança doente, que precisa da mae, que precisa de amor,... e por causa de leis estúpidas, burocracias imbecis, tem de regressar ao país de origem e escolher o que fazer ao filho.
Lembro-me então da “Escolha de Sofia”, da dor que é mandar um filho para a morte, quando é este país do “primeiro mundo” que manda a mãe para uma morte certa, sem dignidade e a obriga a escolher.
Queres um filho órfão e sem família aqui, ou condenas o teu filho à morte?

O que é isto?

E tudo isto em Janeiro, sim, porque mais um ano se passou...

E quando ontem cheguei a casa, sentei-me no sofá e deixei a dor entrar em mim, deixei a revolta apoderar-se de mim, porque é Janeiro, porque morreu um menino, porque uma mãe teve de escolher o que não tem escolha,...

... e chorei, chorei convulsivamente até a dor se apagar e adormeci no sofá.

Acordei já era noite depois de um sono consolador. Sonhei que o menino estava curado e com ele estava a mãe. Sonhei que o outro não tinha morrido.
Acordei já era noite, sem a dor, sem a raiva, só um vazio, um enorme vazio...

...e apeteceu-me ser criança e adormecer novamente, mas agora no colo da minha mãe.

29 comentários:

Teresa disse...

Faltam-me as palavras, sabes?
Também eu, que não assisti a nada do que contas, estou a chorar. Os motivos são muitos, mas julgo que o sentimento de impotência é a causa maior do choro. Podemos tão pouco pelo sofrimento alheio! É atroz.

Não sei consolar-te, meu querido. Saio daqui cheia de angústia e vou pôr Mozart, onde tudo é Beleza. Olho para as minhas tontinhas e sei dos milhares que estão lá fora ao frio, à chuva e à fome, quando não expostos a maus tratos intoleráveis. Tudo o que é pequeno e indefeso desperta em mim uma infinita piedade. As tuas crianças, os meus animais... E nunca deixo de me revoltar por saber que o Homem, tendo uma imensa capacidade de fazer o bem, a desvia e canaliza na maior parte das vezes para fazer o mal.

Vou mandar-te uma ária de Mozart na Zaide, Ruhe Sanft (Safely Rest). Que possas dormir um sono tranquilo e cheio de lindos sonhos, embalado pela voz da Felicity Lott...

Grande beijo.

Teresa disse...

P.S. Deixo também aqui a ária, a maravilhosa ária de Mozart...

http://agripina.imeem.com/music/UexZMEcv/felicity_lott_mozart_zaide_ruhe_sanft/

Diabba disse...

Fucka-se!

O mundo é mesmo uma merda! Gostava de estar aí contigo.

beijos d'enxofre

Afrika disse...

M.
A vida e' mesmo assim! Coisas que não compreendemos, que não sabemos como aceitar... não há nada que possa dizer ou que alguém possa dizer que te faça sentir melhor. Gostava só de poder abraçar-te e dizer que tudo vai ficar bem... Sim os beijos voam! e os pensamentos tb (se um dia, precisares de algo... sabes onde me encontrar!)
Beijinho grande, Amigo.

AEnima disse...

A dor é muita, a vida é injusta. Mas precisas de encontrar as pequenas alegrias na vida... saber que a dor deles é um bocadinho menor nos Domingos que os vais visitar, saber que estás a oferecer o teu canhãozito para combater as cabrices da vida.

Esse tipo de voluntariado é verdadeiramente "pesado" exactamente por teres que lidar constantemente com os nossos próprios sentimentos de perda e de revolta com a vida. Coragem! E bem-hajas pela tua coragem. Faz cá falta. Cada vez mais.

Beijinho

Mad disse...

Nem sei que te diga, porque não há muito a dizer. Força.

Mad disse...

Nem sei que te diga, porque não há muito a dizer. Força.

geocrusoe disse...

"... não temos escravatura, mas temos uma desigualdade social norte sul aterradora e vemos como tratam aqueles entram na europa em busca de um futuro melhor. Afinal cada época tem as suas atrocidades."
Foi há dias que te disse o texto acima e mesmo separado por milhares de km de mar sobre este tipo de injustiça, isto dói-me cá dentro e choro! Não sei se de revolta, se de impotência se é uma formna cobarde de aliviar a consciência...

Anónimo disse...

Não estejas triste, cada menino que morre é substituido por outro que precisa muito de ti,é horrivel,mas esses meninos,apesar de tudo ainda têm a sorte de uma morte digna,pois que uma parte do planeta está perdida, e eles morrem com falta de tudo até desse amor que tu dás gratuitamente,e que é uma dádiva de Deus,por vezes temos vergonha de quebrar este gelo egoísta,não falo por mim porque últimamente não tenho mãos a medir a ajudar os outros,mas, se todos dessem só um bocadinho deles para ajudar o próximo, o mundo seria melhor.Amanhã é outro dia e o mundo tem muitos meninos para ti,sê feliz com eles.Um abraço da FIFI

Teresa disse...

Confesso que este comentário da Fifi, cheio das melhores intenções, me pôs outra vez a chorar, quando já ia desligar isto. Associei-o às palavras do Geocrusoe, tão carregadas de verdade: aliviar a consciência.

Eu sei que não era aquilo que ela queria dizer... mas parece que esta criança que morreu, individual, com um rosto, um sorriso, olhos a comerem-lhe a cara toda... era só um de muitos. E não era, eu sei que não era!!! E parece que há uma entidade superior que continuará a fornecer crianças em sofrimento para apaziguarem a nossa consciência. E não é nada disso. O que todos nós queríamos, e a Fifi também, tenho a certeza, era que não houvesse mais crianças assim! Tu não querias que o mundo tivesse mais meninos para ti, pois não?

Desculpem.

125_azul disse...

Não há mesmo como colo de mãe em certas alturas.Não se consegue mesmo impedir que esta mãe seja obrigada a voltar à Nigéria? Nenhuma via diplomática? Nenhum apelo? Não tenho mais palavras. Beijinhos

Mad disse...

Jesus, se fosse preciso e eu fosse inglesa, eu casava com ela! Juro!

Anónimo disse...

Escrevi e apaguei,porque escrever nestes espaços não é a mesma coisa que falar apenas com o olhar que é aquilo que eu acho que todos devemos fazer em momentos como este, e dar a este rapazinho homem o colo que ele merece,por mim tens o colinho todo,podes chorar tudo o que te apetecer no meu mail que eu estou sempre aqui,Beijinhos e viver assim é bom, lidamos com a felicidade do dever comprido como ser humano,e a revolta e tristeza de sermos tão pequeninos.Torno a repetir que o mundo está na mão de todos os jovens.a união faz a força,não vivam tanto de materialismo,deixem algum tempo para ajudarem outros jovens a formar um novo mundo,é claro que não falo de ti Melão,um abraço,e nunca dexes de ser como és.FIFI

Melões Melodia disse...

Queridos amigos - vou abster-me de vos responder individualmente pois tal como vos nao sei o que dizer ou fazer. O hospital fez o que pode, as associacoes fizeram o que puderam, no entanto as burocracias sao como sao e uma justica cega nao deixa renovar a quarta vez o visto de um nao cidadao Schengen que nao tem trabalho (o visto e de turismo) e sem trabalho nao ha contrato e sem contrato nao ha visto e sem visto nao ha trabalho... perceberam?
eu tambem nao...
mesmo nas opcoes de casamentos e afins, alem de haver inspeccao apertada, nao ha nada a fazer. A senhora tinha de provar que estava relacionada com quem quer que fosse ha mais de dois anos.
Resumindo: a unica solucao e mudar a lei, mas isso tambem nao se faz num dia.
Parece que o caso e conhecido dos tribunais.
Mas nao e por isto que vou deixar de fazer o que faco. Nao e esta enorme impotencia que sinto e que me revolta que me fara desistir. Tenho todos os outros meninos que, infelizmente, precisam de nos.
E que a minha consciencia seja aliviada pelas minhas lagrimas, mas sobretudo pelos meus actos.

Obrigado!

Actriz Principal disse...

Força aí! Continua a fazer o belíssimo trabalho que tens feito. Um pequeno gesto vale muito mais do que um milhão de boas intenções.
Este fds falei com um rapaz que faz voluntariado com as crianças seropositivas aqui em Lisboa. Fiquei a pensar nessa hipótese. Tenho é de trocar os sem-abrigo pelas crianças...
Beijos. Muitos!

calamity jane disse...

Não sei mais o que dizer depois de toda a gente ter dito... tudo! Não é de palavras que a mãe do teu menino preciso, é de alguém que a ajude a permanecer junto do seu menino... Porque o outro menino já foi e atrás irão os pais. Se houver algo que possamos fazer para mudar essa realidade... Mesmo que só possamos fazer por um, já sentiríamos que a nossa inutilidade pode mudar uma vida. Se houver algo que possamos fazer...
um beijo grande, Bom Melão... Choro contigo

jojo disse...

Cá no reino unido as pescadinhas de rabo na boca burocráticas sãoo terriveis.

Tenho pena por esse menino e por mais meninos iguais.
Tu tens que ser forte e lidar com essas situações da melhor maneira se elas fizerem parte do teu dia-a-dia.
Não acumules raiva contra essas situações dentro de ti. Deita tudo cá para fora. Só assim consegues manter-te mentalmente são.


um abraço,
jo

Anónimo disse...

Só mais uma coisa que me vai na cabeça,como vai ser o futuro dessa criança?Quem vai cuidar dele?Quem é que lhe vai um dia contar a verdadeira história,como será a sua vida daqui para a frente.FIFI

amigona avó e a neta princesa disse...

Apenas um abraço de amizade e a gratidão por seres como és!

Um beijo enorme de amizade...

Lua disse...

Olha, eu que trabalho com crianças, não sei o que te dizer. Também sei que não estás à espera de que te digam alguma coisa mas...

Coragem. Muitas vezes venho para casa e só me apetece é chorar. Por todas as tristezas e coisas horríveis que muitas pessoas têm de sofrer :(

Coragem...

Ck in UK disse...

Este texto ta muito bonito, apesar do tema ser muito triste. mas ja sabias, nao era?

aiaminhavida disse...

Enfim...foi a primeira vez que visitei o teu blog, através da "ck in uk"... este texto de profunda e tamanha dor fez-me acordar pra vida... passo a explicar. Tenho uma piolhinha com 15 meses. Começou agora a sua infernal ida para o infantário. Tenho passado as manhãs em choro compulsivo... mas porquê? vejo a minha piolhinha com um olhar de tristeza e medo, a seguir-me...até à porta de saída da salinha...Mas porque choro eu? ela está bem, tem saúde...eu reencontro-me com ela ao fim da tarde... Ninguém nos vai separar definitivamente!? Quem sou eu para chorar desta forma absurda?!... Bem, não quero imaginar o sofrimento de uma mãe que tem que abandonar o seu filho, para que ele possa viver...
Queria apenas dar-te uma palavra de incentivo. Terás, certamente,que enfrentar mais tristezas, mais lutos... mas o facto de poderes marcar, com o teu carinho e amor, a curta ou longa vida de outras crianças é absolutamente gratificante. Parabéns.

Avelã disse...

beijo :)

Pitanga disse...

Acalma o teu coração! Vejo que fazes um trabalho humanitário e esse sempre esbarra na burocracia.

abraços e...és do Porto? Veja só!

Maçã com Canela disse...

Não te vou conseguir responder... com palavras e consolo...Não consigo.. porque eu também procuro respostas e não as consigo...
Choro.. choro pelo que li.. choro pela parecença dos meus dias com todas estas palavras...
O sentir quem se ama desfalecer... sem meios para lhe dar mais vida...
E choro.. e continuo a chorar.. e ontem foi mais um dia em que a raiva e a dor me cançaram até já não ter mais forças e adormecer...

Desculpa o desabafo...

Um beijo...

Maçã com Canela disse...

Não te vou conseguir responder... com palavras e consolo...Não consigo.. porque eu também procuro respostas e não as consigo...
Choro.. choro pelo que li.. choro pela parecença dos meus dias com todas estas palavras...
O sentir quem se ama desfalecer... sem meios para lhe dar mais vida...
E choro.. e continuo a chorar.. e ontem foi mais um dia em que a raiva e a dor me cançaram até já não ter mais forças e adormecer...

Desculpa o desabafo...

Um beijo...

Inês Lisboa disse...

Foi a primeira vez que visitei este espaço... confesso que fiquei tocada logo com este texto... nem preciso dizer porque. Está à vista de todos! A morte é o destino mais certo que temos nesta caminhada... e pensa que talvez esse menino que tanto sofria, agora descansa em paz repousado numa nuvem de algodão, rodeado por anjos que lhe tocam lindas melodias até ele adormecer :)

beijinhos

amigona avó e a neta princesa disse...

Meu querido se quiseres conhecer a minha fló passa por lá! beijo...

x_bear disse...

...grande coração o teu...chora se te apetecer,grita se te apetecer mas mantém esse teu ENORME coraçao cheio de AMOR para dar...
um forte abraço***