quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

A BBC

Às sete da manhã toca o despertador. Como sempre, levanto-me de imediato e dirijo-me como um zombie até à minha pequena mas acolhedora salinha.

Como todos os dias, acendo a televisão na BBC para ver as últimas notícias, mas sobretudo, para me informar sobre o estado do tempo e dos transportes públicos.

Eis o meu espanto quando vejo que ocorreu durante a madrugada (cerca da uma da manhã) um terramoto, o mais forte registado no Reino Unido nos últimos vinte e cinco anos.

Tento perceber onde foi, mas ninguém o diz. Os jornalistas estão mais preocupados em explorar a curiosidade mórbida de muitos e que não é a minha. Continuo a tentar perceber o que se passou, mas mostram um desfile de gente que foi afectada, meia dúzia de chaminés e telhados que ruiram com a força do sismo, que então, dizem que atingiu 5.3 de magnitude segundo a escala de Richter. Continuo no entanto sem saber o que eventualmente me poderia interessar, onde foi o epicentro, quanto durou, se houve réplicas, se há perigo de mais réplicas e porventura o número de feridos (e mortos) caso os houvesse.

Mas os jornalistas continuavam a ler emails de pessoas que diziam que sentiram, que não sentiram, o que sentiram, como sentiram, tudo isto acompanhado de risinhos (que ainda estou a tentar perceber o motivo).
Não hesitaram em mostrar a sua frustação por nada terem sentido. Para mim o que não tinha sentido era todo o aparato e a forma como estes jornalistas da BBC se comportavam.

Ao fim de meia hora, finalmente, deram mais informção digna de tal nome. Disseram onde foi o epicentro e que houve um número reduzido de feridos, todos eles ligeiros. Durou dez segundos, sem réplicas sentidas, e fez-se sentir em toda a Inglaterra, País de Gales e sudeste da Escócia.

Continuavam com a sua estupidez e frustação por não terem sentido o sismo. Pergunto-me se o pior ferido, aquele que partiu as pernas e a bacia quando lhe caiu uma chaminé em cima, pensará o mesmo, isto é, estará feliz por ter sentido o terramoto.

E a idiotice deste jornalismo de algibeira, nada digno ou representativo da qualidade com que a BBC nos quer brindar, meteu-me nojo.

Primeiro porque um terramoto (que apesar de tudo vejo como um acontecimento fascinante) não é uma experiência de um parque de atracções que queremos sentir, porque queremos sentir.

Também não é divertido de forma a justificar tão leviano e divertido comportamento.

Terceiro, porque felizmente foi moderado, e o Reino Unido não é um país sujeito a grandes incidentes sismológicos (apesar de eu aqui, não ter a certeza se um grande sismo não pode acontecer em qualquer sítio, mesmo que aparentemente pareça pouco provável).

Finalmente, porque este país tem uma das piores contruções do mundo (daí os danos ocorridos nas habitações mais próximas do epicentro) devido à pressa em construir e realojar as pessoas após a II Grande Guerra. Casas sem fundações, prontas a cair como um baralho de cartas no evento de um sismo moderado – a começar por Londres.

Daí que, assim como quando o mereceu lhe tirei o chapéu, hoje aponto o dedo e dou uma nota bem negativa a uma estação de televisão que julgava não se ter vendido ao sensacionalismo barato e cuja missão é informar de forma fria, precisa e concisa. Sem opiniões, sem emoções, sem histerias e gracinhas estúpidas, porque enquanto os muitos que acharam excitante sentir um evento raro neste país ou enquanto muitos se sentiram frustados por não o sentirem, os desalojados e feridos sofreram na pele e merecem o mesmo respeito que um evento destes merece.

12 comentários:

Diabba disse...

(pondo ar de jornalista séria)

Informamos que o terramoto se deveu a uma explosão de homossexualismo no UK, andam todos a menear os orgãos genitais por onde não devem, e o poderoso Deus, decidiu castigá-los de forma severa.
Todavia, porque Deus é velhote, não acertou onde devia, e os feridos até são heteros.
Informações fidedignas garantem-nos que o próximo terramoto será aplicado já com mira telecópica!

Parece que o mau jornalismo é uma praga global! hihihihihi

beijo d'enxofre

Melões Melodia disse...

Tambem pensei nisso! alias, comentei-o no teu canto...
Beijos

geocrusoe disse...

Bem... terramoto não foi, a palavra tem um significado de sismo de maior intensidade que uns meros VI - VII Mercalli (qualquer dia faço um post sobre Mercalli e Richter), foi um sismo moderado como depois é dito lá para o meio de post. Quanto à má qualidade do parque habitacional foi para mim uma novidade, mas tem lógica o que dissestes. como já vi a casa ruir à volta e depois de ter sobrevivido porque me abriguei e deixei o mundo aos saltos e a cair a centímetros ao lado, assumo que não é mesmo nada agradável um terramoto... mas costumo dizer que os pequenos sismos servem para as pessoas descansarem de falar da vida de terceiros.
Quanto à má comunicação social durante uma catástrofe, a quem o dizes... infelizmente isso é uma praga.

Lua disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lua disse...

Assino por baixo, tudo, tudinho.

Mas o que me meteu mais nojo foi ver pessoas a queixaram-se, chaminés partidas, olhinhos assustados quando noutros países morrem milhares, milhares de pessoas e outras que, sobrevivendo, têm um caminho árduo pela frente.

Acho que nem me consigo explicar... só me faz espécie ver pessoas que não se magoaram, que perderam umas telhas e sei lá 'menos' o qué, a queixarem de quão horrível foi :( Há bem, bem pior. Normalmente onde a ajuda é pouca.

Carlota disse...

Surpreende-me, essa BBC...

Melões Melodia disse...

Geocrusoe - quando escrevi este post, pensei em ti e sabia que me irias corrigir de algum erro que eu cometesse visto esta nao ser nem de longe nem de perto a minha area. Obrigado pela correccao.
Compreendo que por aqui um evento raro como este seja motivo de conversa, dai a transferir estas conversas banais do medo, da excitacao, da exploracao dos receios das pessoas para a informacao, parece-me demasiado.
Um abraco

Lua - uma palhacada, e o que e. Como se fosse um cataclismo nacional. pelo menos que sirva para se tirarem as devidas licoes, porque casas mal constuidas ha 50 anos, tiveram muito tempo de ser reforcadas.
Um beijo

Melões Melodia disse...

Carlota - a mim tambem.
Beijos

Lisa's mau feitio disse...

Mais tarde ou mais cedo...

O que esperavas?

Sem Princesa Diana por perto, haviam de se render a alguma coisa e em algum dia, meu caro!

Fica bem!!:)

Lisa

Melões Melodia disse...

Cara Lisa, tu nem me fales da Diana, que apos dez anos, a pobre ainda ocupa primeiras paginas dos jornais... e hoje e o filho mais novo na guerra no Afeganistao. nao ha pachorra.
Beijos

AEnima disse...

Eu já nem digo nada... há dias em que até os sérios se aparvalham... é humano. Eu cá aparvalho todos os dias.... haverá um em que serei séria... tenho esperança! eheheh

Melões Melodia disse...

Aenima - tu ten 'e que te por fina e r'apido.
Beijocas