quarta-feira, 2 de julho de 2008

Porque a vida se leva a rir


ou histórias de um hospital


Ao fim de quatro dias encerrado no hospital (fora as escapadelas para comprar chocolates na loja da frente) faço uma grande escapadela até a casa (que fica a dez minutos a pé do hospital).

Cobri o meu lindo cateter com uma gaze e lá fui para levar roupa suja, deixar o pagamento à empregada e trazer roupa lavadinha.

Ao sair de casa, toca o telemóvel. Atendo. Era a enfermeira que estava de serviço nesse dia. “ - Onde estás? Estão aqui para te levar a fazer os dopplers às carótidas.”

Estou cá em baixo, já subo. Ora como estou perto de casa. Desato a correr em direcção ao hospital. Chego lá e só um elevador está a funcionar. Subo a correr até ao quinto andar. Quando entro estou mais vermelho e mais ofegante do que uma mulher em trabalho de parto.

À minha espera está um enfermeiro com uma cadeira de rodas. “Ah, és tu! Senta-te que te levo.”
Digo-lhe que posso andar. Ele olha para mim com cara de espanto. E porque os dopplers normalmente se fazem a pessoas que tiveram ataques cardíacos, porque estava mais vermelho do que um tomate e porque estava tão ofegante que não conseguia articular uma palavra, o sujeito olha para mim e diz-me: “Senta-te! Não me parece que estejas em muito boa forma e além disso não quero responsabilidades!”

Calei-me e sentei-me. E de repente vejo que há um enfermeiro manco a empurrar-me pelo hospital. Coitado, andava pior do que eu e mal sabia que tinha acabado de fazer um sprint de mais de um quilómetro e terminado com a escalada de cinco andares de uns três metros de pé directo cada.

Pelo caminho lá lhe dizia. “Sinto-me tão mal aqui sentado… eu posso andar” ao que ele respondia que tinha de levar a cadeira para o outro lado.

Chegámos a outros elevadores com muita gente à espera. Esperamos, esperamos, e a hora do exame a passar (mas porque carga de água não me avisaram que tinha o exame e teria poupado tantas correrias?)

Como os elevadores daquele hospital pareciam ter deixado de funcionar, o enfermeiro olha para mim e diz-me “Podes mesmo andar? Podes fazer esforços?” e eu com um olhar furioso digo “Claro, Já disse que sim... ando aqui a fazer de estúpido, sentado numa cadeira de rodas e a ser passeado pelo hospital.”

Leva-me na cadeira até às escadas mais próximas e diz-me: “Então vamos!” e para espanto dos presentes, levanto-me da cadeira de rodas e começo a descer as escadas a correr, seguido por um enfermeiro manco que tinha dificuldade em seguir o meu passo.

20 comentários:

Paulo disse...

esta história tem humor, imagino a parte final digna de espanto e riso de quem ficou a ver-vos e a pensar "surreal". faz bem fintar as fraquezas que os outros nos acham e ainda bem que estás em forma. excelente sinal!

geocrusoe disse...

Este foi dos post mais divertidos e bem humorados que li nos últimos tempos, sobretudo, sabendo corresponder a uma situação real e vindo de ti. Parabéns pelo bom humor, conseguir tirar aspectos positivos dos nossos momentos difíceis é uma das melhores demonstrações de saber-viver. Ainda bem que vais no bom caminho no saborear a vida

Diabba disse...

Não tens vergonha??

Devias era ter obrigado o pobre enfermeiro manco a sentar-se e quem empurrava eras tu! hihihi

beijo d'enxofre

Nota: tu consegues correr 1Km? porra, eu se correr 100mts fico qse em coma e com o coração a

Diabba disse...

... sair-me pelas orelhas!

cumé kesta possa só saiu metade da última frase??

Não me digas que tens censura! hihihihi

pinguim disse...

Que inveja sinto de não ter a calma e o senso de humor aqui mostrados, quando recentemente passei um dia em dois hospitais, um de manhã e outro à tarde, e regressei a casa furibundo com médicos, pessoal administrativo, sei lá mais o quê? Devia ter apanhado um enfermeiro manco e talvez sorrisse...
Abraço.

Mocho Falante disse...

E assim fazemos figuras tristes sem querermos fogo!!!

Olha espero que estejas melhor

um forte abraço

Diabba disse...

"possa"??? fucka-se tou mesmo precisada de férias!

Era "porra" (sem aspas)

beijo d'enxofre

CITRAG disse...

Boa história!
Espero que o resultado do exame seja tão positivo como o efeito deste episódio em mim :D
Força!

Anónimo disse...

Brincas muito com a tua saúde,ela é um bem precioso,tens que ter mais cuidado.Beijinhos e as melhoras.Gostei muito da música,adorei FIFI

Lua disse...

Hehehe...

Mas eu tenho pena do enfermeiro! A responsabilidade é mesmo grande :( Imagino aquilo que o homem não pensou quando te viu a correr!!!

AnAndrade disse...

Mais de um quilómetro e cinco lanços de escadas?? Tens a certeza de que, em vez de num hospital, não estarás a fazer formação para instrutor de fitness?!
Bolas...
Beijo!!

Músico Guerreiro aka Melões disse...

Paulo - sim, a cara dos presentes era de um espanto brutal. Pensram que assistiram a um milagre em primeira mao.
Abraco

Geocrusoe - e estranho, mas essas duas semanas tiveram um saldo muito positivo em todos os sentidos. Nao me lembro de me rir tanto com tantas situacoes. Sempre foi a minha forma de lidar com as coisas. Quando estas se tornam realmente negras, tento leva-las com uma boa gargalhada.
Abraco

Diabba - sim vai de ferias, que se nota que estas muito necessitada. Sim, e verdade, tenho muita resistencia para a corrida. Os meus anos de atletismo devem ter ficado memorizados nas minhas celulas.
Beijos e diverte-te.

Pinguim - sei que os hospitais sao dificeis. Afinal passo la metade do meu tempo livre com as minhas criancas. E e tambem por isso que nutro uma simpatia especial pelos servicos nacionais de saude apesar de todos os defeitos que tem. Nao e facil trabalhar nem e facil ser paciente. Quando estamos doentes, tornamo-nos um bocadinho egoistas e pensamos que o nosso caso e o unico e nunca e assim. Por isso e que quando fui eu a estar do lado do paciente, levei as coisas a brincar.
Abraco.

Músico Guerreiro aka Melões disse...

Mocho - por aqui tudo fino! Apesar das figuras tristes, acabei por me rir imenso com o episodio.
Abraco.

Músico Guerreiro aka Melões disse...

Citrag - o exame correu bem. Arterias perfeitas e a trabalhar (finalmente) como deve ser.
beijos
PS - nao me esqueci de ti, desculpa ainda nao ter dito nada. Quando e a deadline?

FiFi - nao foi brincar com a saude. Tenho-lhe muito respeito porque nao tem sido das melhores. Rio-me e da vida e para a vida... para a tornar mais leve. So isso.
Beijos

Lua - sim, tambem imagino. Se alguma coisa corre mal, e um grande problema e outro problema e que ha muitos pacientes que mentem, eu podia ser um desses casos. Estar sentado numa cadeira de rodas nao e coisa facil. Primeiro pensamos... onde chegou o meu estado. O que interessa e que tudo acabou com uma bela gargalhada.
Beijos

AnAndrade - o meu corpo e um misterio. Ninguem o entende muito bem. Nem como funciona. E como disse acima, acho que os meus anos de atletismo deram uma ajudinha.
Beijos

Deda disse...

Melões, põe-te bom para vermos o Azul . Beijo

Músico Guerreiro aka Melões disse...

Deda - Ja estou fino. Este fim de semana tenho planos, mas durante a proxima semana ou no fim de semana seguinte, parece-me um bom plano.
Beijos

Deda disse...

No fim-de-semana seguinte estou eu na "imbicta", carago!

Mad disse...

Desculpa, tenho andado numa roda viva tão grande que nem dei pelo teu chilique, e só hoje vi isto. Já percebi que foi mais o susto, mas mesmo assim take care, como disse a Margaret.
Bjs

Músico Guerreiro aka Melões disse...

Deda - pois eu se calahr tambem :)
Beijos

Mad - eu nem chamo susto que nao sou de me assustar facilmente.
Oberigado
Beijos

calamity jane disse...

Xuxu, tenho vindo ao teu tasco mas o meu estado de semi-letargia tem-me impedido de dizer seja o que for. Espero que já estejas fino e vê lá se avisas qd vieres à metade sul aqui do rectângulo. Gostava mm te pôr a vista em cima...
besos