sábado, 7 de novembro de 2009

Tu e o teu caderno preto






Estás sentado no café da esquina. Tu e o teu caderno preto.

Um prato vazio e um café que arrefece. A garrafa de água aberta. Olhas a rua na grande metrópole. Olhas sem ver porque tens os pensamentos perdidos, um turbilhão de ideias sem ordem nem razão.

Inesperadamente um pensamento cai em ti como um meteorito que entra ardente na atmosfera e te impacta fundo. Será, provavelmente, a última vez que te sentas nesse café de esquina. Tu e o teu caderno preto.

Quantas vezes o fizeste? Muitas, muitas, centenas concerteza. Após um lustro, um lustro de pensamentos no teu caderno preto, não precisas de pedir. Sabem quem és, que café queres, a tua mesa preferida, quem entra, a terceira junto à janela de onde podes ver o cruzamento e as pessoas que correm apressadas.

Olhas pela janela e começas a ver. O céu está azul, limpo como só consegue estar nas manhãs frias, incorrupto, sem núvens, o sol baixo faz brilhar a grande metrópole.

Vês passar os carros, os táxis, os autocarros, vês gente que caminha apressada e outros que aproveitam a manhã de sol para passear.

Não há pausa na cidade, há sempre um carro parado no semáforo, gente que atravessa a rua. Centenas de anónimos como tu.

Sorris, dás-te conta que a cidade continuará a mesma sem ti, levantas-te, fechas o teu caderno preto e caminhas até a casa confundido com a multidão.

Fica a esquina, o café da esquina, a terceira mesa junto à janela onde passaste horas. Tu e o teu caderno preto.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Um bocadinho de mim

Estes dias fiz um curso de “soft skills” que me assustou pela extrema qualidade. Nunca fui muito de acreditar nestes cursos com técnicas fabricadas para convencer, influenciar ou vender, mas este método parte de nós, das nossas forças e fraquezas e das daqueles com quem lidamos e como nos devemos moldar às características dos outros.

O resumo da minha análise depois de uns quantos questionários e uma entrevista com uma psicóloga é o texto transcrito abaixo. Quem me conhece, faça o favor de comentar.

Personal Style
Melões likes to develop models for improving the way to solve difficult problems. He is highly independent and can live and work quite contentedly in modest surroundings. He has an ever-present internal critic who judges everything he thinks and does. He uses his thinking to run as much of the world as he can and is in his element when a situation needs to be organised, criticised or regulated. Although disinterested in purely scholastic pursuits, knowledge is important for its immediate usefulness to him.

He is keen to pick out logical inconsistencies. He typically does not take constructive criticism and disagreement personally. He welcomes though, accurate, unrelenting critiques as helpful in achieving the highest levels of performance and objectivity. Both for himself and others, fun, relaxation and free time are scheduled and prioritised events. He prefers to be left to work quietly on his own, which is when he achieves his best work. The process of objective analysis is a source of great enjoyment to him, with the outcome often of much less importance. He may sometimes take over work of others rather than leave important tasks undone, or done poorly. He is seen as practical, trustworthy and dedicated to preserving traditional values. Because he relies heavily on logical analysis, he can overlook what matters to others. His strong sense of personal values may make him reserved around strangers whose values he feels may conflict with his own. Although objective, he may be more interested in finding creative solutions to problems than in seeing those solutions become reality.

Melões is an analytical thinker, who prefers to be fully objective in his work. He is aesthetically appreciative and values quality. He often sees when colours match or blend and may have a highly developed taste for art, music and food. He is good at organising and bringing ideas into the plan. As he likes conversation to be purposeful, and may argue practicalities to the point of hair-splitting, he tends to be convinced only by reason. His aim is to fit all the pieces of the jigsaw together into a complete picture, but for Melões the jigsaw keeps expanding with the discovery of every new piece.

He likes to make rules based on his own standards and to apply those rules to everyday life. Melões is seen by many people as being independent and self-contained. He sometimes feels less than adequate when he thinks the effort of living up to his own high standards of perfection. He is strongly motivated and get things right, especially factually, and to be most effective he should be allowed to operate in a private environment. He is quiet, reserved and distant, with a thoughtful appearance.

Interacting with others
Melões applies objective analysis to most things, including people. Although he has a good understanding of facts, figures and ideas he may sometimes struggle to present them to others and have them understood and accepted. He doesn’t often encourage others to challenge his views. He uses his thinking to analyse the world, not to control it, but his reliance on thinking makes him appear impersonal and critical. He may mistrust authority and hierarchy and will choose to remain neutral rather than be drawn into supporting lost “underdog” causes.

He is reluctant to display his emotions to others. He may sometimes encounter difficulties in communications because he would prefer everyone to be as logical and analytical as he is himself. He will often do without something rather than reach out to others to get it. He may seek to reduce his personal needs rather than be dependent on other people. He needs to know that he is making a unique contribution to the world he lives in. Roles that require empathy and sympathy may not suit him, as despite his concern for others, he is likely to be more content dealing with things rather than with people.

He dislikes being criticised by others as he is already heavily burdened by his inner voice of self-judgement. He can be independent to the point of stubbornness and places a high value on professionalism. He does not take criticism personally and his often surprised to discover that others may be hurt or offended by the constructive criticism he can offer. His abilities may not be readily recognised or accepted, as he may be seen as somewhat aloof by others. His interests do not help social encounters, where he is often perceived as distancing himself from social contact.

Decision Making
Melões’ quizzical and probing nature may create solutions which open up fresh processes. His quiet demeanour often allows him to get agreement to his alternative solutions. He views life as an intellectual challenge and needs to think things through before deciding. He may lack patience with others who are less focused on the job in hand. His natural introversion does not prevent him from making critical and incisive comments with conviction and presence.

He usually delays decision making until the facts and details are available. He tends to make sound future decisions only after deep reflection. He applies analysis and objectivity to discover the underlying principles, relying on clear thinking in making decisions. He may occasionally be slow at coming to a decision, or try to have a decision reversed, as he has a need to analyse all the available alternatives. He makes decisions after a great deal of thought and he may not be dissuaded by emotional or muddled arguments.
Melões is able to readily grasp any underlying principles and make decisions based on logic, rather than on how people feel. He is not usually prepared to commit to high risk decisions. He is impressed by reason and logic and prefers to focus his thinking on the underlying principles. Melões’ many accomplishments are achieved mainly though determination and perseverance in reaching or exceeding his high standards. With a love of problem solving, he can be very perceptive and has a highly developed capacity for inner reflection."

sábado, 24 de outubro de 2009

London is London

É oficial.

Vou deixar Londres. Após quase seis anos na ilha, é hora de mudar. Não foi uma decisão difícil. Promoção, aumento, estar mais próximo de casa, da minha princesa, agora afilhada, uma cidade onde já vivi e onde finalmente me encontro com a cara-metade-mais-que-tudo, não dá muito que pensar.

Em Novembro começo oficialmente a minha nova vida em Madrid, se bem que durante uns meses viverei como um nómada a saltar entre Londres e Madrid porque ninguém se consegue mudar numa semana.

No entanto, e ainda estando em Londres, já sinto saudades desta imensa metrópole. Só aqui consigo encontrar um concerto de alto nível todos os dias, posso dizer que quero ir à ópera e tenho uma produção excelente sempre disponível, o meu Barbican de estimação onde tantas vezes ouvi Bach e outros sob a maestria de Sir John Eliot Gardiner, os meus musicais e os brunch de Domingo.

Os mercados de rua ou as lojas de Mayfair, gente e mais gente e mais gente como se a cidade vivesse numa contínua noite de S. João.

Os museus e os palácios, as grandes igrejas com concertos ao meio dia por coros que só existem no país que tem os melhores coros do mundo. As exposições e a arte de rua.

As manhãs cinzentas ou as tardes de sol nos imensos parques. Caminhar pelo Regent’s Canal, subir a Primrose Hill e abarcar a imensa cidade no silêncio.

Os amigos que cá estavam e os que fiz entretanto. O pub à saída do trabalho, a confusão da rush hour e a vida da city onde milhares de pessoas, como eu, caminham apressadas, agasalhando as mãos num café.

Acima de tudo os meus meninos, os que estão e os que brilham lá em cima. Os meus meninos que verei amanhã pela última vez. Os meus meninos, os olhos vivaços de quem acredita que tem uma vida pela frente. Quero acreditar que sim.

E o John, falei dele um dia aqui, que morreu no dia de todos os santos, faz este ano dois anos, e o meu menino da Nigéria, o menino que, faz em Dezembro um ano, se despediu do mundo olhando-me nos olhos. Os olhos que ainda hoje vejo.

Isto é Londres para mim. A cidade que me transformou, fez-me adulto, calmo, a cidade que me enterrou os fantasmas e me deu uma nova alegria de viver, não a loucura da adolescência mas uma alegria serena, interior, um crescimento imenso, me fez mais humano.

Londres é Londres e será sempre uma parte de mim.


segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Cinco de Outubro


Há noventa e nove anos o meu país fez uma revolução. Decidiu que um regime monárquico não lhe servia e escolheu a república. Mudança difícil e violenta, desgoverno constante e falta de visão moral e social, como um adolescente que descobre um mundo novo à sua frente, a primeira república saiu-se mal e acabou por se derrubar também fruto de incompetência, interesses pessoais e divergências internas.

Abriu caminho à ditadura militar e ao Estado Novo e a quase meio século de “Deus, Pátria e Família”. Anos de forte crescimento económico, desenvolvimento sustentado, infra-estructuras, saúde e educação, foram também anos de fim de liberdades, de perseguição, anti-partidarismo, e uma guerra que defendia o que já era indefensável.

Dizendo chega, o país entrou outra vez num ciclo de desgovernos, rápida delapidação dos cofres do estado e crescimento da pobreza, apaziguados década e meia mais tarde com os fundos que chegavam de fora e com a primeira estabilidade governativa após o Estado Novo.

Findos os fundos, instala-se a crise que vai muito além da económica. Crise política, social e moral de um país velho mas que ainda não sabe nem se deixa governar.

Um feriado que celebra muitos ideais e só ideais. Uma celebração de quase um século de mediocridade governativa de um povo que então se sentava no café a jogar às damas (às damas! nem sequer xadrez) ou à soleira da porta a falar do tempo e que hoje se passeia em centros comerciais ou se senta a ver a bola.

É isto que celebramos.


PS – e não sou monárquico! O que diria se o fosse.

domingo, 27 de setembro de 2009

Direito a ser Português

Neste dia em que o país vai a votos, sento-me no café da esquina com o meu caderno preto. A esta hora matutina já deveria ter votado. Gosto de cumprir os meus deveres cedo para passar o dia livre de obrigações.

Desta vez não o posso fazer. Não pude ir ao meus país e pela primeira vez não mo deixam fazer desde esta ilha. Perdi um direito não sei bem como. Dizem que não o tenho porque não vivo nesse canto. Olho o meu passaporte que diz Nacionalidade Portuguesa.

Tenho interesses em Portugal. Família, amigos, investimentos e um magro fundo de pensões. Não sou sequer emigrante de pleno direito. Escolhi uma figura jurídica que me diz residente em Portugal, domiciliado no Reino Unido. Assim, neguei os meus direitos de cidadão da ilha para manter os do meu país mas não os posso exercer.

Muitos dirão que não interessa, nem vale a pena votar pois tudo seguirá igual. Talvez, talvez...

Tanto andámos para chegar a uma democracia. Mais de oitocentos anos de país, lutas e revoluções para, em trinta anos, pouco mais, ignorarmos as lutas que nos deram os direitos que temos como certos.

Este país que me tira o direito de votar é o mesmo que não me dá oportunidades que outros me dão.

Quando as coisas se complicaram no trabalho, quando a crise se instalou e a o sistema financeiro colapsou, comecei a procurar trabalho. O meu país disse-me que sou muito novo apesar da experiência e provas dadas. Bolas, tenho trinta e três anos, é certo, e mais de dez anos de experiência no que faço, mas a idade é um posto e as provas dadas não somaram rugas nem cabelos brancos e é melhor parecer do que fazer. Tenho no entanto três ofertas na mão de outros países que não constam no meu passaporte.

Esta semana recebi uma carta de Portugal. Tinha pedido informação e preenchido uns formulários para, eventualmente, começar um processo de adopção. A carta desencoraja-me. Não tenho o perfil certo. Sou solteiro e tenho um trabalho a tempo inteiro de responsabilidade. Menciona a dita carta que o processo será moroso e doloroso com grande probabilidade de fracasso. Na ilha não recebi uma carta. Ligaram-me. Agradeceram-me a coragem e marcaram uma entrevista em minha casa. Disseram-me ser difícil mas possível e que o meu trabalho estável e bem pago, bem como a minha experiência com crianças abonarão certamente a meu favor. Coragem foi a palavra de ordem.

No entanto, apesar das grandes frustações que me causa o meu país, sou Português e quero ser capaz de exercer os meus direitos em Portugal.

Enquanto não mo deixam, vou fazendo o meu caminho por onde posso com a certeza de que um dia regresso.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Até a breve

Este canto anda um bocado ao abandono, bem o sei. Não ando com grande vontade de escrever também é verdade. Assim seguirá mais duas semanas porque me esperam as terras douradas das múmias e dos faraós.

sábado, 1 de agosto de 2009

Chegou Agosto

Não é uma grande novidade que vos dou. Chegou Agosto. Aqui na ilha Agosto acordou com cara de Outubro. Mas é Agosto. O rectângulo quase pára. As cidades esvaziam-se e é um prazer passear na cidade que respira após um ano de trabalho. Em Londres não se nota que já é Agosto. A cidade continua cheia de gente e o tempo, talvez guiado pelo bulício da cidade, não se ajustou ao calendário.
Sempre gostei de trabalhar em Agosto. Felizmente sempre me pude dar a esse luxo. É tempo de fechar um ciclo e começar um novo, de organizar as pequenas coisas que o dia-a-dia dos outros meses deixou acumular. Mesa limpa, chega Setembro e parto de férias.
Mas este início e este fim que é Agosto tem para mim um significado mais profundo. O tempo faz-me recuar a 1950 quando numa vila, agora cidade (cidade!) despojada da beleza de outrora, nasceu a minha mãe – início; e onde em 1994, no mesmo dia, à mesma hora, a minha mãe se despediu do meu avô – fim.
Quinze anos, avô, quinze anos. Passado todo este tempo ainda sinto a mesma saudade avô, sinto a tua falta, quero ouvir as tuas palavras sábias, viver a tua entrega, ver os teus olhos da côr dos meus vivaços e espertos. Ano após ano descubro que te amo cada vez mais e encho-me de orgulho quando me dizem que me pareço contigo. És o meu exemplo de vida.
Recordo-me desse dia como se fosse hoje. Nós no Algarve, tu no hospital, tinhas melhorado e disseste-nos Ide!. Mas nessa manhã bem cedo a mãe disse Quero passar o meu aniversário com o meu pai, e a mãe e o pai seguiram viagem. E eu, a minha irmã e a nossa prima ali ficámos. Já noite chega o telegrama e o que se passou a seguir foi mágico. Enquanto as tuas netas choravam e se consolavam, eu saí. Saí e deambulei em silêncio sob o céu coberto de estrelas. Dizem que desapareci um bom par de horas, para mim foi um instante. Nesse momento senti-me contigo, acompanhado e experimentei uma paz que nunca voltei a sentir. Senti que o mundo tinha parado e tudo era perfeito, e essa paz, o silêncio, tudo fazia sentido como se a tua mão estivesse pousada no meu ombro como em criança quando me defendias das ameaças que eu sentia quando passeávamos pelo monte, quer à caça, à pesca ou simplesmente a apanhar o rosmaninho para receber o compasso. Era a mesma mão protectora que sentia na minha meninice.
Mais tarde, falando com a mãe, descobri que também a mãe sentiu a mesma calma. Nós, claramente os que mais ligados a ti estávamos, que bebíamos dos teus valores e da tua sapiência nesta relação entranhada e umbilical, não chorámos a tua morte. Recebêmo-la como uma benção. O fim da tua vida na terra, o início da tua vida em nós.
Talvez por isso o dia e a hora. Escolheste para partir, sei que escolheste, o dia e a hora em que foste pai pela primeira vez. O momento exacto em que geraste vida e na vida da mãe geraste a minha. Provavelmente sabias que nesse exacto momento se abria uma porta que te levaria a nós.
Ainda mais curioso é o facto de neste preciso momento e sempre que me recordo de ti, e são muitas vezes, sentir um pouco dessa paz e a tua mão protectora.
É Agosto, o mês do início e do fim. No próximo fim-de-semana, dia oito, estarei no Porto com a minha mãe a celebrar a vida, as vidas, a Vida porque dia oito é dia de festa. Festa em que participam os que estão presentes e os que vêm dentro de nós.


sábado, 25 de julho de 2009

H1N1

Não é política desta minha casa falar dos assuntos da actualidade. É uma casa aberta a todos mas feita de opiniões, vivências, gostos e reflexões pessoais. Por tudo isto, e porque o autor se incomoda com sensacionalismos que se abatem muitas vezes sobre a nossa sociedade e amplamente discutidos nos mais variados meios de comunicação, a política escolhida.

Desta vez decidi falar da gripe. A famosa gripe que enche páginas de jornais e que, muitas vezes, ganha destaque de abertura nos noticiários dos países onde vivo e onde nasci.

Sigo com alguma atenção a progressão da doença em Portugal. Tenho muita gente querida nesse canto e interesso-me. Fico, no entanto, horrorizado e envergonhado com a reacção da maioria das pessoas do meu país. Basta ler as caixas de comentários dos jornais on-line.

Os portugueses em geral têm esta necessidade de acusar e mal dizer. Uma maledicência vergonhosa e ignorante que me incomoda e revolta.

Os comentários mais comuns são:

“Como nesta altura não há política nem futebol nem incêndios, há que encher as páginas dosjornais com a gripe.”

“Esta gripe só matou tantas pessoas, quantas morrem por ano com a gripe sazonal?”

“E as outras doenças bem piores como a infecção por HIV ou o cancro?”

Vamos por partes:

- Há mais uma doença que nos ameaça e é urgente educar. Tem baixa taxa de mortalidade mas tem-na. Mesmo que não a tivesse, devido à sua agressividade, pode levar a uma paralisação generalizada do país no pico da infecção com as devidas e nefastas consequências sócio-económicas, agravadas pela actual crise. Noticiar não é alarmar, não é criar um clima de medo. É educar, prevenir.

- É curioso o número de treinadores de bancada no nosso país. Tantos estatísticos. Conhecem os números e comentam-nos. Segundo noticiou a BBC o número de mortes no Reino Unido desde o início da epidemia é superior ao número de mortes por gripe sazonal e a infecção está agora a crescer exponencialmente neste país, principalmente entre pessoas com menos de catorze anos.

- Finalmente, quem compara esta doença com a infecção pelo HIV ou com o cancro é estúpido. Perdeu o cérebro nalgum lado e não sabem bem onde para o ir buscar. Aprenda a pensar antes de falar. O cancro não é sequer uma doença contagiosa, há prevenção bem divulgada, o sol, o fumo, comer vegetais, mas acima de tudo conhecer bem o corpo para identificar cedo a doença. Quanto ao HIV, doença contagiosa, é prevenível pela gente saudável tomando as devidas precauções e evitando comportamentos de risco, dificilmente a doença se espalha e o meu país distribui gratuitamente preservativos e seringas bem como paga os tratamentos na totalidade. Resta-nos a gripe, esta que podemos apanhar em qualquer lado por onde andamos e em tudo o que tocamos. Mata menos? Ainda bem! mas mata. E as mortes, os seus números, não se comparam. Uma morte vale uma vida e a vida não tem valor, assim sendo, uma morte vale tanto como muitas mortes. Se não acreditam, perguntem-no a um pai que perdeu um filho.

Imagino que o facto da incidência da gripe ser baixa em Portugal leva a este tipo de pensamentos e julgamentos. Estúpidos, tacanhos, vergonhosos. Aqui nesta terra que me acolhe não há paranóia. As pessoas ouvem e acolhem. Ainda assim o vírus espalha-se. Chegou ao escritório. Num dos andares a incidência é tão alta que o fecharam e os meus colegas estão em quarentena. Tenho um amigo nesse andar que contraiu a gripe e felizmente se curou sem recorrer a medicação ao fim de três dias.

Mas sinto a preocupação nos meus colegas que têm filhos pequenos ou adolescentes porque é neste grupo que tem havido mortes de pessoas saudáveis. Querem evitar a infecção, não por eles mas pelos filhos.

E eu, mais por eles do que por mim, sigo as notícias com atenção. Não conseguiria viver comigo se me soubesse responsável pela morte de uma única pessoa por não saber prevenir.

Se tudo não passar de um susto, pelo menos que fiquem os hábitos de higiene para a gripe sazonal. A maioria das doenças que desapareceram, desapareceram porque se mudaram hábitos. Em Portugal, há primeiro que mudar as mentalidades.

domingo, 19 de julho de 2009

Memórias – D., a cadela que não sabia ladrar

A mãe nunca quis ter animais. Estranho para quem sempre viveu ou cresceu rodeada deles. O avô sempre teve cães, alguns gatos, galinhas, perús, porcos, vacas, cabras, rolas, coelhos, pombos, patos,... sei lá, tantos que me perco.

De todos há um que ficou na história da família. Um perdigueiro que defendia a casa e era feroz, excelente na caça e amigo da família. Nunca o conheci. Ouvi as histórias desse brilhante cão que deu o nome a todos os outros que se seguiram.

Como disse, o Brilhante, assim se chamava, era ferocíssimo. Quando a mãe nasceu não podia entrar em casa. Um dia estava a avó na cozinha a preparar o almoço e o avô na biblioteca a trabalhar, a mãe chora no andar de cima. Subitamente cala-se. Os avós largam tudo porque haviam sentido que o Brilhante tinha entrado e subido. Chegando ao quarto onde estava o berço da mãe deparam-se com uma cena digna de fotografia. O Brilhante, com as patas dianteiras em cima do berço, balançava-o, olhava para a mãe que se ria. Desde então criou-se um laço estreito entre o cão feroz e a mãe. Os tios nasceram e o cão brincava com eles. Ainda hoje falam das famosas escondidinhas em que o Brilhante era imbatível. O Brilhante envelheceu, ficou cego, e o avô decidiu que chegava levando o cão para o descanso merecido. A mãe, ao chegar a casa e não vendo o Brilhante, soube de imediato o que se tinha passado. Disse que não queria mais animais, que não gostava de cães.

Anos mais tarde eu e a mana, que éramos recebidos, cada vez que visitávamos os avós, com correrias infernais pelos Brilhantes que fomos conhecendo, pedíamos insistentemente um cão. A mãe dizia, Não! Não temos casa para um cão e não gosto de cães.

Um dia de temporal desfeito o pai entra em casa com uma cadela, coleira vermelha e olhar vivaço, pequena ainda, disse que a tinha encontrado para convencer a mãe, mas a cadela vinha seca e limpa apesar do temporal que caía sobre a cidade.

Fez o teatro todo, anúncios nos jornais e nas lojas da vizinhança, logicamente o dono nunca apareceu e a mãe não teve coragem de dar a cadela. A minha irmã baptizou-a, um nome horrível, mas as crianças têm disto.

A mãe nunca se deixou afeiçoar à D.. Dizia ao pai, encontraste-a, tomas tu conta dela!. Ao contrário do Brilhante, a D. era meiga com toda a gente, tinha um único objectivo. Lamber as orelhas dos desconhecidos que apareciam lá em casa. Quando tocavam à campaínha fincava as patas no terraço como que a ganhar forças, e quando a visita entrava, corria veloz através da sala até à entrada e atirava-se ao pescoço numa tentativa de lamber as orelhas do desconhecido e para grande susto da visita.

A D. não ladrava, nunca a ouvi ladrar, parecia que falava. Articulava sons estranho que não consigo descrever em diferentes tons dependendo do que nos queria pedir. Entendia muitas palavras: banho, casota, rua, passear, comidita, menina feia,... quando ouvia o barulho das chaves ou via alguém vestir o casaco, aparecia com a trela na boca, quando se dizia o nome de algum de nós, ia ter com a pessoa.

Era irrequieta, fazia muitas asneiras. Não tendo permissão para entrar nos quartos, satisfazia-se desfazendo as camas, depois lá vinha ela a rastejar pela sala, pensava que assim passava despercebida.

Numa noite de S. João umas quantas sardinhas ficaram por assar. O meu pai deixou-as dentro de uma bacia azul em cima do tanque. A D. não chegaria ali. Noite passada, entrando em casa, restos de sardinha por todo o lado, uma cadela lambuzada depois de um festim de dezenas de sardinhas cruas e um cheiro que tardou um par de dias a desaparecer.

Como o Brilhante, também a D. envelheceu, cheia de tumores nas maminhas, já perto do fim, fazia punções diárias para tirar todo o líquido que a deformava e fazia sofrer. Nesta fase, após tantos anos, a mãe afeiçoou-se à D.. Começou a dar-lhe mimos, muitos, festas, FESTAS, a mãe que também dizia que o pêlo dos animais lhe fazia impressão. Até ao dia em que a irmã levou a D. a mais uma punção e ali mesmo, segundo o conselho do veterinário, disse: Já chega!

Entrou em casa sem a D. e meteu-se no quarto. A mãe, que dizia que não se chora por animais, pôs o jantar na mesa com os olhos vermelhos e inchados e durante dois anos não falou na D. nem no Brilhante.

Hoje continua a dizer Não quero cães, não gosto de animais e não temos casa para isso.

O pai contenta-se com peixes, bicos-de-lacre, canários, uma arara, duas tartarugas e o grilo comprado anualmente na feira da festa da Sra da Lapa, mas nada de mamíferos, afinal é a mãe quem usa as calças e o pai continua a ser a criança que quer ter um cão.

Imagino que esta história não vos interesse muito mas hoje lembrei-me dos animais que fizeram parte da minha vida e sorri ao lembrar-me das alegrias que me deram. E tenho pena, muita mesmo, de não ter vida que me permita acolher um.

sábado, 18 de julho de 2009

O alien que vivia em mim


Há uns quantos meses atrás senti algo estranho. Um corpo mole, estranho, ao fundo das costas mesmo em cima da coluna. Se me incomodava? Sim. No início só me incomodava a mente. Fazemos filmes e por mais que queiramos ser optimistas, não conseguimos. Depois fisicamente. Sentia-o crescer, podia agarrá-lo e ele fazia sentir-se com os movimentos mais banais. Finalmente via-o espreitar e sentia uma dor grave, leve, suportável mas grave e constante.

Deixei-o andar, consumir-me os pensamentos e as emoções, tinha consulta de rotina terça-feira passada e mostrá-lo-ia ao médico. Assim o fiz, assim se fez a sentença de morte ao alien, TAC no mesmo dia e remover o alien na sexta-feira.

O médico, o meu respeitável e admirável médico, disse-me para não me preocupar enquanto, simpaticamente, me lembrou que deveria ter ido mais cedo, que está sempre disponível para mim (e não, não cobra nem um tostão). A face, no entanto, porque aprendi a ler na expressão dos olhos e na rapidez das acções, mostrava preocupação.

Ontem pela manhã lá fui eu executar a sentença a este alien. Meia hora e estava cá fora. Parece não ser daninho nem ter más intenções, disseram. Certezas, só terça-feira, mas quase certezas de que não o seja.

Eu vi-o. Seboso, escuro, uma massa mole e disforme.

Já mais leve, regressei a casa e passei a tarde a descansar em frente ao computador, a fazer coisas sem importância. Quizzes do facebook, joguinhos,... distracção pura e descanso intelectual e emotivo.

Uma vez mais escondi o alien que me atormentava. Calei. Só que neste calar, para não mentir ou mostrar a verdade nos meus olhos transparentes, afastei-me. Não respondi a mails dos amigos preocupados, não devolvi chamadas a outros. Esqueci-me no entanto que este meu escape não é tão anónimo como quando o criei. Fiz amigos, alguns bem sólidos, que me conhecem ao ponto de se mostrarem, dizerem que estão ali, sem insistir. A chamada surpresa que caiu no voicemail só para dar um beijo, o comentário breve sobre a núvem negra que passa, nada caiu em saco roto. Não respondo porque não gosto de falar de mim. Não gosto de sentir que há um mundo que se preocupa comigo fruto de um passado em que queria evitar o sentimento que mais detesto, que tivessem pena de mim.
Eu sei que os amigos são para os bons e para os maus momentos, mas os melhores amigos, mais do que os que nos dão a mão quando precisamos, são os que ficam felizes com o nosso sucesso e estão connosco quando estamos felizes e estes são bem mais difíceis de encontrar.
Em relação ao topo da minha pirâmide de afectos, para quê preocupá-los se estão longe e mesmo se estivessem perto nada poderiam fazer? Só criaria angústia porque quem está longe sofre mais porque não vê nem sente do que quem tem o problema nas mãos.
Mas o alien que havia em mim, já não há, o que apesar de me ter tirado um pequeno peso das costas, me tirou um grande da cabeça.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Amanhã

...vou à faca tirar um bocado que está a mais. Provavelmente não é nada de sério, um alien gordoroso que gostou das minhas costas.
Apesar de tudo a vossa energia, as vossas orações, a vossa força... o que quer que seja que vos faça acreditar é bem vindo.

sábado, 11 de julho de 2009

Desabafo

Continua o silêncio. Longo, longo, longo, arrastando-se como um fogo que consome tudo por onde passa e só deixa terra estéril. O vento das emoções varre as cinzas e deixa a descoberto as cicatrizes expostas novamente aos elementos.

Não há palavras, os pensamentos não conseguem divagar e fixam-se no que quero ultrapassar.

Quero tanto, mas tanto, ter um pouco de paz interior... tenho ocupado o meu tempo para não pensar, trabalho e mais trabalho, ginásio para tentar viver a mente sã em corpo são, corpo constantemente atacado e atacado e atacado... vem uma e outra vai e outra vem, testando-me sempre e muito e sempre e muito e quando alguém me confronta, calo-me, engulo, pretendo estar feliz.

A semana passada na cidade que me viu nascer alguém me disse, como se conhecesse os meus fantasmas, que deveria pensar mais em mim e menos nos outros, que vivo tanto para os outros, preocupado com quem amo, que me esqueço de viver a minha vida. Falso, falso, falso, a minha vida sem os outros não tem sentido.

No entanto olho para mim, para o que faço, para o que sou, sinto que perdi. Deveria ter uma vida acertada, um norte, a adolescência já lá vai e com ela as oportunidades. Sei porque as perdi, sei de onde vem o fogo que me consome e conheço a origem do vento que varre as cinzas e deixa exposta a rocha impenetrável que mostra as cicatrizes.

Cansado de lutar, sem lágrimas para chorar, de coração esmagado pela dureza da rocha em que me envolvi, estou cansado, calado, cansado. Egoisticamente desejo acabar a guerra e deixar-me adormecer no meu cansaço ou deixar-me arder neste fogo e esperar que o vento me leve.

domingo, 21 de junho de 2009

A Casa

Hoje é o dia mais longo do ano, longo, longo, longo como todos os outros dias, vinte e quatro horas que se arrastam e teimam em não passar.

A casa está escura com a fria manhã cinzenta de Verão. As entranhas tolhidas pela falta de luz. As cortinas ainda corridas lembram os dias de sol mas não há força ou vontade de abri-las e deixar entrar a fraca luz da fria manhã do solstício. Esticar o braço, alcançar o interruptor, torna-se tarefa árdua como árduos são os dias sem luz.

Uma televisão acendida sem som espalha cores e fantasmas, povoa a casa como pensamentos vindos do nada. Fantasmas de gente ida que um dia habitou a casa, que um dia foi a casa. Fantasmas que exacerbam a distância e amargam a solidão.

A casa sem luz e sem ar não respira e corrompe-se. Os vidros partem-se como que a dizer “respira!”. As fendas aparecem e a casa passa a ser uma casa assombrada, assombrosa, assustada, uma sombra daquilo que foi um dia.

Quem se aproxima vê a casa ao fundo do caminho. Ao fundo do caminho a casa. A vegetação esconde-a sob um manto verde. Aqui e ali a brancura da cal espreita lado a lado, de mãos dadas com o cinzento do granito frio. Ao fundo do caminho a casa. As imensas janelas de vidros partidos, o alpendre podre que a rodeia, o ferro enferrujado das varandas com a cor da velhice, as chaminés secas sem fumo.

Quem se aproxima da casa vê o caminho tornar-se mais curto, a casa maior e mais velha, a casa ao fundo do caminho. Acaba o caminho e a casa é uma porta, grande, de madeira velha e seca, um cadeado novo que envolve os velhos trabalhos de ferro e substitui a fechadura sem serventia.
O cadeado novo que impede a visita à casa assombrada, assombrosa, assustada. A casa onde ninguém consegue entrar, a casa de onde não se consegue sair. Ao fundo do caminho a casa assombrada, assombrosa, assustada, uma sombra daquilo que foi um dia.

domingo, 31 de maio de 2009

Pronúncia do norte



Se há coisa de que não me envergonho, é da minha pronúncia do norte. O português que se fala no norte não tem preconceitos. Encontra expressões alegres e honestas e transforma os palavrões em afectos.

Julgar pessoas pela pronúncia é estúpido. O português do norte não é mais rude, é diferente. As vogais mais abertas, os ditongos mais alongados e rasgados. É uma pronúncia mais próxima do galaico-português que deu origem ao nosso riquíssimo idioma. Afinal a influência árabe não foi tão sentida no norte e portanto estas gentes não importaram os sons nasalados e fechados que se falavam mais a sul.

Um país que nega e ridiculariza as suas pronúncias, ou que as categoriza em diferentes status, é um país que nega a riqueza da diversidade. Infelizmente em Portugal é assim.

Quantas vezes um repórter ou jornalista em Portugal fala com a pronúncia do norte, ou do Algarve, ou Alentejana, Beirã para não falar das ilhas?

Basta ouvir o noticiário da BBC e as pronúncias do país aparecem, lindas, únicas. Uma das apresentadoras do tempo do “BBC breakfast” fala-nos com a sua pronúncia escocesa, como não há problema ou crítica em apresentar documentários com pronúncias de York ou Belfast.

Ouvindo-se tudo, deixa de criar-se imagens, imagens de que as pessoas do norte são ignorantes, parolas, tacanhas, boçais. Também as há como há no resto do país mas é incrível como quando querem entrevistar alguém no Porto, encontram sempre o senhor de camisola sem mangas e grande corrente ao pescoço com a música pimba aos berros e que dá pontapés na gramática.

O que o país faz, principalmente os meios de comunicação, é empobrecer o português, torná-lo pobre nas expressões e palavras e sons.

Eu sei como peço um pingo, um lanche ou um molete no resto do país, e se precisar de uma sertã nova, de pedir cruzetas no quarto do hotel, substituir o aloquete, também o sei fazer em qualquer parte do país. E se o vermelho é mais piroso do que o encarnado, quem o decidiu? Encarnado não se usa no norte mas todos sabemos o que quer dizer. Para nós encarnado é o Cristo. E gosto de ter pessoas à minha beira se bem que não me importo de as ter ao pé de mim.

Tacanhês não é falar com pronúncia do norte ou doutra qualquer região. Tacanhês é acreditar e defender que há um português correcto e negar ao país outras pronúncias e expressões, ridicularizar quem as tem, tornando assim esse português mais pobre.


segunda-feira, 25 de maio de 2009

If I fall



"If I Fall"

Swept away
By the wonder of it all
So amazed
Never saw it coming
Left me dazed
And I don't know where to turn

Here and now
Seems I’m standing on the edge
Looking down
I can clearly see your face
In the crowd
Makes me feel I’m not alone

If I fall
Will you catch me?

Seems to me
I'm exactly where I dreamt
I would be
And the view from here is
Something to see
But I need a hand to hold on to

If I fall
Will you catch me?

terça-feira, 19 de maio de 2009

Chiquinha Gonzaga

(Rio de Janeiro, 17-10-1847 a 28-02-1935)


Francisca Edwiges Neves Gonzaga. Nasceu no Rio de Janeiro em 1847 de uma família de pretensões aristocráticas, pai militar e mãe mulata.

Não conhecia o nome até que em 1999 passou na televisão portuguesa uma mini-série sobre a vida desta mulher. Devido à minha paixão por determinados estilos da música popular brasileira, nomeadamente Bossa Nova e Chorinho, decidi seguir a série e fiquei deliciado com a vida desta mulher, a primeira mulher a dirigir uma orquestra no Brasil. Comecei uma busca difícil de informacão e partituras, na altura muito dificil, mas que devido à série ter sido lançada em DVD, se tornou mais fácil desde 2008.

De formação clássica, Chiquinha Gonzaga, uma lutadora pelos direitos e igualdade das mulheres e do fim da escravatura, viu-se desde cedo nos meios escravos onde começou a ouvir e a apreciar a sua música, transferindo para a sua formação clássica as sonoridades que apreendia.

Nascia assim o chorinho e davam-se os primeiros passos na direcção da grande expressão da música brasileira, a Bossa Nova.

Mulher de amores e desamores, casou-se pela primeira vez aos dezasseis anos por imposição da família, separando-se a finais dos anos 60 do séc. XIX enfrentando uma sociedade conservadora num Rio de Janeiro aburguesado. Após um segundo casamento falhado, ocupou as conversas de todos os círculos sociais cariocas quando adoptou como seu filho João Baptista, um rapaz de 16 anos por quem se apaixonou quando tinha 52. Tais escândalos atiraram grandes feitos de Chiquinha, nomeadamente ter fundado a sociedade brasileira dos direitos de autor, ter conseguido o direito de voto das mulheres brasileiras, ter levando a música popular brasileira aos grandes salões onde a alta burguesia brasileira se encontrava e aos quatro cantos do mundo, nomeadamente na Europa onde passou 8 anos, para segundo plano.

Da série, recordo-me de um chorinho fabuloso onde já se descobrem aqui e ali umas sonoridades de Bossa Nova. Ouvi uma vez na série e fiquei com a melodia na cabeça, passei-a mesmo ao papel, e hoje, quando a encontro fico feliz por saber que a minha memória não me traiu. Não vou analisar a música, não o fiz quando a ouvi pela primeira vez e por isso, talvez, tenha sido apanhado de surpresa. Simples e popular.

Infelizmente não encontrei nenhuma versão interessante no youtube, as imagens tendem a ser assustadoras, de qualquer forma encontrei uma com bailado que vos deixo aqui. Infelizmente o bailado vê-se mal, porque poderia eventualmente ser um vídeo muito bonito. De qualquer forma fica a música, que essa sim, a meu ver vale a pena.



EDP – o monstro

Às vezes, quando leio notícias por aí, não posso deixar de rir-me com o que se diz. Alguns jornais que até considero sérios, procuram um sensacionalismos barato que me assusta. Parece ser necessário manter as pessoas ao lado de um ataque de nervos e como o Português aceita o que lhe é dito a “face-value”, acredita nestas histórias, que em períodos difíceis como os que atravessamos, só vêm deitar areia para os olhos e aumentar o descontentamento social.

Refiro-me a esta notícia na qual não vejo o mínimo interesse. Não vejo interesse porque se refere a dados de 2007 e entretanto muita coisa mudou.

O que é curioso é que hoje mesmo recebi um relatório semanal de uma conceituada agência para a energia, a Platts (sim, não acuso sem fonte fidedigna e sem estar devidamente documentado) que apresenta os preços da electricidade e do gás na Europa dos quinze em Maio de 2009 (i.e., o mês em que estamos).

Pois dito relatório informa-me que os preços HEPI (preço integral) são mais baratos em Portugal do que em Espanha. Enquanto o consumidor paga em Espanha uma média de € cent 15.86 por kWh, o consumidor português paga € cent 15.65. Ja no gás Espanha paga € cent 5.77 contra € cent 5.42 que paga o português. Se decidirmos retirar os impostos, a diferença ainda se agravaria mais já que Espanha tem uma política fiscal em termos de energia mais favorável ao consumidor do que Portugal.

Agora digam-me uma coisa, a quem interessa uma notícia destas? A ninguém digo eu. É velha, falsa e desmoraliza. Ataca uma empresa que tem tido um trabalho de excelência.

Falando nisto, lembro-me de outras notícias que leio por aí e com as quais discordo profundamente. Quando a EdP apresenta resultados, as notícias focam-se no resultado líquido. Uma vez mais, para o mais distraído dos leitores, resultado líquido não quer dizer absolutamente nada. É um indicador da actividade da empresa e pouco mais, e só nos diz que a empresa operacionalmente está de boa saúde o que é de esperar de uma empresa no sector das Utilities. O que estes comentários se esquecem de analisar é o que realmente interessa. Os fluxos de caixa gerados pela empresa, porque uma coisa é o que factura, outra é o que realmente entra nos cofres da empresa e como é aplicado.

A EdP apresenta um plano de investimentos assombroso e ainda assim delicioso. Ter-se focado no sector das energias renováveis, fez do país um dos lideres Europeus neste campo. Sem gerar caixa suficiente para investir neste sector, estaríamos a hipotecar o futuro do país. Portugal tem um parque geracional ainda insuficiente, ainda algo dependente em combustíveis fósseis mas com grande crescimento nas energias renováveis que já ocupam uma percentagem significativa da geração no nosso país. Não o ter feito, seria sujeitar-nos a consequências dramáticas no futuro. Sofreríamos mais com uma eventual subida do preço do petróleo, teríamos multas mais pesadas por não cumprir a quota de emissões, pagaríamos mais por mais emissões de carbono, e acima de tudo, continuaríamos a destruir o país e o ambiente de uma forma acelerada.

A EdP pode não ser perfeita mas é de empresas como esta, de gestores como os desta empresa, que o país precisa. Não precisamos da política invejosa dos mediocres que só dão um lado das coisas pervertendo as notícias. Talvez assim a mediocridade deles não se note tanto.

PS – não trabalho, não sou sócio nem tenho nenhuns interesses na empresa em causa.



domingo, 17 de maio de 2009

Qual de nós, apesar da mágoa ou da humilhação, seria capaz de protagonizar uma tal excelência?

A frase não é minha, este convite à reflexão, fê-lo Rita Ferro numa entrada na Porta do Vento que podem ver aqui.

Danielle Mitterrand, viúva do presidente francês François Mitterrand, aparece no funeral do marido ao lado da amante do marido e da filha desta relação, sujeitando-se a duríssimas críticas. Como resposta, escreveu uma carta que põe o dedo na ferida e mostra que a moral pode muitas vezes ser amoral. Fala de sentimentos, de amor, da essência do que é o homem.

Pensei na pergunta, não tenho resposta. Não sei como reagiria numa situação destas. Se por um lado acredito num amor para a vida, por outro lado acredito na infinita capacidade de amar. Mas se há uma traição que magoa, é a traição dos sentimentos.

É preciso ter coragem para dizer : “Vi também que, como um homem sensível, poderia enamorar-se, encantar-se com outras pessoas, sem deixar de me amar”. Queremos ser o centro do universo, a razão do outro existir, num sentimento mesquinho e egoísta. Quando o amor é universal e se multiplica e se partilha.

A essência da carta, para mim, está neste parágrafo, duríssimo mas ainda assim de uma beleza aterradora: “Achar que somos feitos para um único e fiel amor é hipocrisia, conformismo. É preciso admitir docemente que o ser humano é capaz de amar apaixonadamente alguém, e depois, com o passar dos anos, amar de forma diferente. Não somos o centro amorável do mundo do outro. É preciso aceitar também outros amores, que passam a fazer parte desse amor como mais uma gota d'água que se incorpora ao nosso lago.”

Hoje desiste-se com muita facilidade, ninguém tem tempo para construir continuamente, alimentar o amor e as relações desmoronam-se como edifícios abandonados. Tendemos a focar a nossa energia na mágoa e eventual humilhação da traição. Eventual, digo, porque não acredito que seja humilhante ser-se traído. Só o será se tivermos deixado a casa ao abandono e uma rajada de vento abriu a porta para que outros pudessem entrar.

Magoa-me ver no meu grupo de amigos como as relações vão ruindo como se as pessoas se tivessem esquecido do que sentiram um dia e porque um dia decidiram dizer sim. O amor evolui. Nas relações longas, o amor torna-se fraterno, um companheirismo único de quem se conhece até ao âmago. Não deixar o amor chegar aqui é não saber amar.

Como comentei nesta entrada não sei dizer como reagiria a uma situação destas. Não deixo, no entanto, de considerar o comportamento louvável e brilhante. Sempre pensei que uma traição de sentimentos me magoaria mais do que uma traição puramente física, por outro lado sei que há muitas formas diferentes de amar e que os amores evoluem. Negar o amor a alguém, filha ou amante, pai ou marido, é atacar uma capacidade única que temos, é amoralizar a moral, é negar a nossa essência humana, como o é o egoísmo de não sabermos partilhar. Ainda assim, magoa-me a traição dos sentimentos. Quando a Rita pergunta qual de nós, apesar da mágoa ou da humilhação, conseguiria protagonizar tal excelência, só consigo responder que não vejo a humilhação e acredito que a mágoa se desvaneça com o tempo.

sábado, 16 de maio de 2009

O olhar que pede colo

Foi bom ter estado tantos dias em Portugal. O momento era importante e foi emocionalmente muito intenso. Felizmente tudo está bem mas houve momentos em que parecia que não.

O sinal de que as coisas não estavam bem, vi-o assim que saí do aeroporto nos olhos dos meus pais. Um olhar nervoso, ansioso e uma resposta breve a “olha os avós babados”. Um breve “vamos lá ver”.

A mana, bastante doente, armava-se em forte. Não viu a filha durante um dia porque a marota, esfomeada como é, lembrou-se de provar líquido amniótico. Uma parte foi para os pulmões. Resultado: uma pneumonia e cinco dias de cuidados intensivos. Mas voltando à mana, a forte mana, com os sacos de ferro atrás, mandava todas as visitas embora porque queria ver e estar com a menina e nos cuidados intensivos só podiam estar os pais da criança. Estava com uma anemia muito séria mas uma energia que só a protecção de mãe podia dar. Sentava-se ao lado da bebé, olhava para ela horas a fio sem poder tocar-lhe.

A mana, a forte mana, que sorria a toda a gente para dar força aos recém avós, ao pai, também me sorriu. Pediu que me deixassem entrar nos cuidados intensivos. Não sei como o fez, conseguiu-o.

Não me peçam que descreva a sala, não me lembro, havia outros bebés mas não reparei neles. Entrei e no canto da sala escura a minha irmã sentada. Olhou-me, e com que força me olhou. Disse-me “olha a tua afilhada” com um olhar de quem tinha sido abandonada, fixado, parado em mim. Deixou correr as lágrimas em silêncio, muitas, quase não olhei para a minha afilhada, quem mais precisava de mim era a minha irmã que embalei como se fosse um bebé, também ela precisava de cuidados. Muitos.

Tudo correu bem, já estão as duas em casa e eu de volta à ilha. Tio e padrinho de uma menina grande, esfomeada e irrequieta. Desde o início, sempre achei que tudo iria correr bem. Alturas houve em que fui o único.

A tensão instalou-se, houve conversas duras mas essas não interessam. A minha dor e a minha alegria eram a dor e a alegria da minha irmã.

Dormi pouco, troquei fraldas, dei de comer, fiz com que a família funcionasse. Ouvi segredos, desabafos e fiz o que achei que devia fazer.

Trago comigo uma semana de emoções, daquelas que nos põem no sítio e relativizam tudo.

A minha afilhada tem uma mãe com letra grande e tenho pena de não estar lá ao lado.

Trago comigo muita coisa, mas entre todas as coisas, trago comigo aquele olhar de uma mãe que pede colo. E como doeu.

sábado, 2 de maio de 2009

Magnificat!

Caríssima irmã, hoje é dia de falar contigo. Não vou poder estar contigo hoje, mas amanhã...

Sabes que és a mana preferida (também és a única). Por ti, estou com o coração nas mãos, um coração jubiloso, uma alegria imensa!

Partilhamos uma paixão enorme, crianças, ver-te hoje assim, peça fundamental no milagre da vida, enche-me de orgulho.

Já amo essa criança que hoje darás à luz, a tua filha, e eu não sou mais do que uma criança grande que assiste ao milagre mais belo que me tira desta letargia e me dá uma energia colossal tão grande como a própria vida.

Todos os irmãos deviam ser como nós. Unidos, amigos, protectores.

Como passou rápido a infância! As brincadeiras. Lembras-te quando partiste a cadeira nova a jogar ao elástico na sala de jantar? E como juntos a colámos e encerámos e só passados anos os pais descobriram? Ou quando jogámos ao jogo do galo na porta de casa que arranhámos com a chave e que valeu uma porta nova, fora o resto? Ou ainda as tardes no barco com o avô, em que a minha azelhice na pesca me valeu seis percas enquanto tu pescaste mais de trinta? Foi boa a nossa infância, fez-nos unos.

Apresentas-me aos teus amigos como o homem da tua vida, não sei o que lhes contas mas noto que me admiram e tu sorris orgulhosa dos meus sucessos.

Hoje és mãe, eu tio, segui a gravidez passo a passo. Fui contigo ao ginecologista quando decidiste que querias ter um filho, fui à farmácia contigo comprar-te o àcido fólico. Fui o primeiro a quem ligaste, para ciumeira dos pais, quando soubeste da novidade e encheste-me a caixa de correio electrónico com imagens da ervilhinha que hoje ganha um nome. Assim que me ligaste esta manhã, marquei o voo e hoje estarei na cidade que nos viu crescer.

Hoje é a família que cresce. Nasce a esperança.

Que tudo corra bem mamã!

Até já!







Bach - 01 Magnificat - Ton Koopman Amsterdam Baroque Orchestra and Soloists

quarta-feira, 29 de abril de 2009

...

Palavras leva-as o vento. Pensamentos também. É preciso agir, fazer. A chamada à realidade é presente, aqui, agora.

Sim, podemos afundar-nos num mundo de mágoa mas isso não nos leva a lado nenhum. Fechados num egoísmo surdo, ignoramos a chamada.

Está sol, vem aí uma criança, está quase! A mão estendida está à nossa frente, à esquerda, à direita, atrás de nós para nos amparar na queda, uma floresta de mãos que vêm não se sabe de onde e afastam aquelas que nos empurram. Uma floresta que floresce nesta primavera em que o vento tenta afastar os pensamentos. Pensamentos são só isso, pensamentos.

Embriagado pelos fantasmas guardados no peito, perdemos a percepção das coisas. Não ouvimos a chamada. Queixumes são inúteis, são palavras que como pensamentos, leva-os o vento.

O corpo ressente-se das horas sem dormir, o coração dispara, acelera arritmadamente e a visão desvanece-se, mais uma vez esvai-se. Então a chamada agudiza-se, torna-se omnipresente e impossível de ignorar. Idiota! Fechado em problemas que existem dentro de ti, que te enviesam o olhar de forma a que vejas o que queres, o que dizes que não queres. Idiota, não te queixes! Onde está esse guerreiro, afinal?

A cidade à noite, mais escura, porque o corpo se recusa a ver, obriga a abrir os outros sentidos. Já me conheço bem, estar ali, no meio de outra gente, leva-me a relativizar tudo e vejo o guerreiro acordar. Esqueço-me do mal que me afecta, falo, estendo a mão que não é mais do que estender-me a mão.

Acredito! A bondade das pessoas que desconheço, a entrega, o despreendimento, as chamadas que ficaram por atender, as mensagens que ficaram por responder... A visão regressa e cada vez mais me convenço do poder destrutivo ou construtivo dos pensamentos. Cada vez mais acredito que ao querer muito, ao desejar o impossível, este se torna passível de se tornar real.

E o que é real é que o mundo é belo e tenho todo o direito de ser feliz. Com distância, com problemas, mas sobretudo com amigos e amor. Tenho o direito de ser feliz, nem que dure um só instante.

Adagio

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Cafés


Decidi reduzir a quantidade de café que bebo por dia... sim, ia numa conta extraordinária de catorze shots e reduzi drasticamente para quatro.

Efeitos secundários:
1 - Subiu a tensão, historicamente muito baixa, passou a baixa;
2 - O estômago está a queixar-se;
3 – Perdi o sono.

Pois, eu que dormia tão bem, sem acordar uma única vez, não preguei o olho toda a noite. Aproveitei para pôr a leitura em dia, arrumei a casa que estava que metia dó, quando dei por mim, estava sol e saí de casa para vir ao estaminé.
Entretanto começou a chover e ao chegar o fim do dia ainda me sinto sem sono.

Alguém me explica?

domingo, 26 de abril de 2009

Desabafo

Os dias estão mais longos, brilha o sol e as árvores recuperaram o verde da esperança. Inicia-se um novo ciclo, Primavera. As esplanadas da grande metrópole enchem-se de gente que vive desesperadamente em busca de um raio de sol.

Gostava de sentir o mesmo anseio, a primavera esgota-me. O cansaço abate-se sobre mim e a saúde estremece.

Sinto-me mais vazio, a distância aumenta a desilusão e a solidão aparece de mansinho para instalar-se dentro de mim que vejo no brilho do sol o escárnio de quem comanda a vida.

Fecho-me na minha toca, qual lobo solitário, e alimento-me de esperanças perdidas. Sei que há um mundo lá fora e anseio por ele, digo que sim, que o quero porque sei que me faz bem mas o lobo vence e sem razão aparente, não digo nada e deixo-me ficar fechado em casa entregue aos pensamentos. Ainda ontem o fiz e farei amanhã e depois, e quando o faço o aperto aumenta e a solidão torna-se infinita.

Os amigos não estão lá para sempre. Se não respondemos à chamada, marcam-nos falta até ao dia em que não passamos e deixamos de fazer parte da chamada.

É talvez a ressaca dos dias cheios de emoções, de ser com letra grande e de estar com aqueles que me amam. Sabê-los longe e perder contactos com a vida. Talvez seja a desilusão da traição de quem recebêmos em casa ou perder momentos únicos na vida da nossa vida.

Vem aí uma nova vida, espero ansioso a chamada e a espera lembra-me que não estou. Olho a casa em desalinho, reflexo do desalinho dos meus sentimentos. Quero chorar para aliviar a pressão mas as lágrimas, como eu, não respondem à chamada.

Cada manhã, nova luta. Não encontro motivos que me façam querer sair de casa e passo o dia à espera do toque de saída. No que resta dos dias agora mais longos, penso, penso, penso. É a distância, a nova vida, os que me esperam em vão, quem reclama a minha presença e os que me dizem: volta, precisamos de ti.

Mais do que triste, estou vazio. Preciso daquele empurrão para me fazer sair da letargia em que me encontro porque sei que quando saio, me encontro. Renasço, brinco, falo.

Digo-me desiludido com a grande metrópole, com quem me traiu. Iludo-me. Na verdade estou desiludido comigo porque não consigo deixar que a primavera entre em mim. Nesta desilusão fecho a porta, deito-me e adormeço porque enquanto durmo, o mundo que anseio e evito não existe.

sábado, 25 de abril de 2009

Liberdade

Os meus blogues, para o mais observador, são alimentados aos fins-de semana. Sábado ou domingo não interessa, um ou outro também não, estando em Londres, saio de casa para tomar o pequeno-almoço com o meu caderno preto, sento-me no café e o que sair, saiu. Se é alguma experiência, vivência, reflexão, cai aqui, senão cai ali ao lado onde a ficção se faz realidade.

Não estando em Londres não há entradas. Como não há se recebo alguém. Os meus cantos preenchem o vazio das manhãs de fim-de-semana antes de sair para visitar os meus meninos e assim também os fins-de-semana acabam por se tornar rotina.

A rotina não tem de ser má desde que não seja acomodada. Cria disciplina e faz-nos aproveitar momentos em que, de outra forma, estaríamos sentados no sofá, preguiçosos, a desperdiçar o tempo que é tão escasso.

Como já repararam hoje estou sem imaginação. Normalmente quando abro o caderno preto, as palavras saem-me, jorram sem ter de pensar muito. Hoje não.

Pensei falar da liberdade, do dia que hoje se celebra, mas, vá lá, crucifiquem-me, o dia não me diz grande coisa. Sou daquela geração que nasceu pós-revolução, e depois?

Só sei como era antes pelas histórias que ouvi em casa: o meu pai foi perseguido quando era estudante por fazer um comentário num café da baixa do Porto; foi dois anos para a guerra em Moçambique; o meu avô foi interrogado quando não foi votar porque recebeu o boletim de voto com a cruz já marcada. Mas o meu pai, pós revolução, teve de sair do local de trabalho na mala do carro ante a fúria dos que antes eram companheiros leais e o meu avô viu-se obrigado a dividir a família para que não lhe ocupassem as casas e ainda assim, aqueles que um dia ajudou lhe queimaram uma das casas, a ele, cujo pai fundou os bombeiros da vila, que abriu e parcialmente financiou o lar de terceira idade, que pagou do seu bolso o serviço de sangue no único hospital da terra.

Sim, o meu avô nunca teve a liberdade de não ser julgado, talvez porque julgava os outros, mas sempre teve a liberdade de pensar.

Pensando não votava quando lhe aparecia o boletim com a cruz e aguentou interrogatórios e quase perdeu o posto de trabalho, mas depois, o respeitável juíz virou o monstro. Para que quer o senhor as casas? As vinhas? A terra a quem a trabalha – e eu que nunca vi o meu avô com medo da enxada e ninguém conhecia a vinha tão bem como ele.

Ganhámos a liberdade! Ainda bem, respeito-a e dou-lhe valor. Não sei o que seria viver sem liberdade nem gostaria de viver sem ela. Mas a minha liberdade deixa-me ficar indiferente a este dia. O passado, passou. As promessas de Abril ficaram na gaveta. O regime mudou, as pessoas não. Vivem no Abril de há trinta e cinco anos, sentadas no sofá sem aproveitar o tempo.

Ainda que me tirem todas as liberdades, a de pensar pela minha cabeça ninguém ma tira. Não sou pós Abril. Não sou anti Abril. Vivo hoje e não me interessa se há uma praça com o nome Salazar ou uma ponte com o nome 25 de Abril. Pois será isso, não sou fascista nem comunista e irrita-me a celebração de um dia que fez com que uma nação inteira tenha ficado sentada no sofá durante décadas enquanto engole novelas e futebol.

Cada um usa a liberdade como quer e a minha é fazer, tal como o avô me ensinou, ainda que me torne num peixe fora de água.


PS – apesar de achar belíssima a música de intervenção, escolho esta. Afinal o povo é manso. Não ordena e a fraternidade é claramente mais rara do que a que havia há trinta e cinco anos atrás. Esta aproxima-se mais do meu conceito de liberdade.

sábado, 18 de abril de 2009

É tudo uma questão de perspectiva

Não consigo deixar de pensar nos meus amigos. Estes têm sido dias duros para muitos deles.

Quatro amigos e todos próximos, daqueles com quem falamos quase todos os dias, passam por momentos muito difíceis. Uma amiga perdeu a mãe, outra o irmão, um amigo tem a mãe nos cuidados intensivos e a amiga de todos os dias não está cá porque o pai precisa dela.

Tenho uma relação próxima com a morte e com a doença. Não me assustam, as minhas. Vivi demasiado perto desta realidade que a absorvi e aprendi a viver com ela. No entanto excluí-me do grupo daqueles que um dia perdem um pai, uma mãe ou um irmão. Eu iria primeiro e por isso nunca passaria por tal dor. Não me preparei, como se preparar fosse possível, mas imagino que a maioria das pessoas pensa eventualmente nesta situação e cria defesas que não funcionam quando se vêem confrontadas com um evento destes. Eu não, sempre acreditei que ia antes.

Anos passados, com a sorte do meu lado, vejo o sofrimento dos meus amigos como um sinal, uma chamada à realidade. E se fosse eu a estar no lugar deles? Como reagiria? Não sei, a ideia peturba-me e quero apartá-la. Cada dor é diferente e única por isso o exercício é inútil, só cria amargura e tristeza e não me fará entender a dor que atinge aqueles de quem eu gosto.

Bem lá no alto da minha pirâmide de afectos estão os meus pais e a minha irmã. Não consigo evitá-lo. Sempre fui muito amado, protegido, apoiado incondicionalmente. Qual dos três gosto mais? Não sei, não sei mesmo, não é a resposta politicamente correcta. Nos três vejo um, o meu núcleo, a minha vida. São amores diferentes, incomparáveis, únicos. O amor de uma família sagrada. Da mãe o amor que educa e protege; do pai o amor que ensina e defende; da irmã o amor que partilha e apoia.

Quando há alguma novidade ou problema sou o primeiro a quem falam. Gostam das minhas opiniões, dos meus conselhos apesar de ter sido deles que aprendi a discernir. Admiram a minha forma de pensar, a minha abertura, os meus fundamentos e a minha compreensão mas foram eles que me fizeram assim.

Olho para os meus amigos, olho para a minha família. Não sei o que dizer. Perturba-me a ideia. Não faz sentido.

Como diz a amiga de todos os dias, voltamos ao ABC da vida e todo o resto deixa de ser importante. É tudo uma questão de perspectiva. Somos assim por eles e para eles. Devemos-lhes a vida e o amor que sentimos.

Amigos, estou aqui, não sei tirar-vos a dor, consolar-vos no que não tem consolo. Posso dar-vos a minha mão, não para tornar o caminho mais fácil mas, quem sabe, mais suportável.

U e L podeis não ver o vosso núcleo. Não está à vossa frente mas dentro de vós, nos vossos genes, nos vossos actos, nos vossos pensamentos, no vosso amor.

S e C não imagino o que é ver quem somos assim diante de nós. O amor move montanhas e vós estais cheios dele. Posso pedir-vos um favor? Não percais o vosso sorriso. O sorriso é a porta da esperança e se os vossos vêem o vosso sorriso e a vossa esperança têm mais força para lutar.

A última palavra vai para o meu núcleo. O ABC da vida diz-me que tem de ser. Escrevo muito sobre ele mas nunca o digo.
Amo-vos!

quinta-feira, 16 de abril de 2009

De volta à ilha

Estou de volta à ilha.
Como sempre foi uma semana cheia apesar de se ter alongado graças à nossa querida Portugália que decidiu dar-me mais um dia de férias.

Como todos os anos, procurámos uma esplanada para uma brilhante tarde de quinta-feira santa. Lá ficámos pelo Peter’s café que abriu na Ribeira, rendidos ao gin tónico enquanto chovia a cântaros lá fora.

Houve também os concertos de semana santa. Este ano, para comemorar os 2000 anos de São Paulo e os 200 anos do nascimento de Mendelssohn, tive o prazer de ouvir uma Oratória para mim desconhecida. Paulus. Das oratórias de Mendelssohn só conhecia a grande “Elias” mas “Paulus”, quase nunca feita em concerto na íntegra, é uma delícia de obra que subverte muitas vezes a tradicional forma de representar o narrador (normalmente tenor mas nesta obra a soprano) ou Deus (normalmente o baixo, mas nesta obra os naipes femininos do coro). O texto é a vida de São Paulo, o Santo correligionário que perseguia os cristãos (exemplo disso é o martírio de Santo Estevão) que conseguiu a redenção através da conversão e martírio. Como família recentemente convertida ao Cristianismo do Judaísmo, esta obra é para Mendelssohn (patrocinada pelo seu pai) uma autobiografia e muito pessoal recordando ainda assim a forma da Oratória barroca em que os textos bíblicos se alternam com reflexões corais (com melodias dos corais luteranos) e reflexões poéticas nas árias dos vários solistas.
Mas apesar de ser uma obra coral exaustiva (duas horas e meia de música em que o coro quase não tem descanso) não consigo deixar de referir a abertura, a única sem vozes. Às vezes basta ouvir uma abertura destas para sabermos que estamos perante uma obra única. Quando soube que Mendelssohn disse um dia que não sabia como fazer a abertura para a obra, que não sabia como acabá-la, perguntei-me como seria a obra se o compositor não tivesse tido essas dificuldades.
Em suma, uma obra grandiosa e espiritual como uma semana santa nos pede e na comemoração de um Santo que escreveu dos mais belos textos da bíblia.

Sábado, dia morto, foi um dia bem activo. À tarde fui a casa da diabba, à caverna do norte, era suposto pintar uma paredes mas acabei por montar quatro cadeiras e tomar um chá com folar de trás-os-montes. Depois de jantar com amigos que já tinham passado o dia a beber valentemente, rumei à baixa da minha cidade (e que baixa, carago) para ir tomar um copo com a Diabba (que não conseguia andar com os seus sapatos agulha na calçada portuguesa – só não percebo como o faz lá em baixo porque a calçada da capital, além de ser mais irregular é mais escorregadia, que isto de ser basalto e calcário e não granito tem muito que se lhe diga) e com a Aenima.

Domingo, rumo ao Marco de Canaveses, onde o cabrito (que pernoitara envolto em vinho, alho e louro numa bacia de plástico em casa dos meus pais) assava num forno de lenha enquanto deixava cair a gordurinha para o alguidar de barro onde ainda se faz o arroz. E como nos bons velhos tempos do avô, casa cheia. Bendita a hora em que o meu avô se lembrou de mandar fazer uma mesa corrrida na adega, ali entre tonéis e pipas, garrafas e lagar, salgadeira e cuba de vinho, com as mais estranhas coisas penduradas das vigas de madeira (as cabaças, as batedeiras manuais, as candeias de azeite, as canecas de porcelana para o vinho verde, ...) onde coubémos os mais de trinta, o respectivo cabrito e o arroz, os pães-de-ló (sim que eram muitos), o pão-podre, o bolo de amêndoa e os pudins de ovos mais o presunto que o meu tio cortava em fatias tão finas mas que tão bem combinavam com o pão-de-ló e o queijo da serra. À hora do compasso, a história de sempre: entra o padre que estudou no colégio com a minha mãe, atira-nos com a àgua benta, a minha mãe diz que não sentiu nada e ele diz: para esta pecadora é preciso muita àgua e lá vai meio balde.

Segunda-feira, deveria ser na Feira mas a família era a mesma e tinha uns assuntos a tratar – renovar o caducadíssimo BI – mas como eu, pensaram outros milhares, que a fila para a renovação saía pela porta fora e já não davam aquelas senhazitas (como as do talho) enquanto se “aguarda a vez”... à noite ainda fui tomar um copo com uns amigos porque um deles tinha consulta marcada. Pois é, ao que parece, o Lusitano faz cartas astrais grátis às segundas à noite aos clientes mas é necessário marcar. Mostraram-se tão impressionados e entusiasmados que lá me convenceram a marcar para daqui a duas semanas – claro está que duvido poder estar presente, afinal estou na ilha, assim que se alguém quiser aproveitar a vaga...

Terça-feira o meu pai parece preocupado. Pelos vistos há greve da Portugália – enfim, mais preocupado do que eu, se não for hoje vou amanhã e não haver voo é falta mais do que justificada. Obrigadinho Portugália, acertaste em cheio, mais um dia de férias veio mesmo a calhar. Era escusado era a viagem de duas ao aeroporto que esse já eu conheço demasiado bem.

Depois destes dias de reencontros com amigos e família, de comezainas físicas e espirituais, fica um apontamento breve ao sentido da semana. Desliguei-me dos problemas do dia-a-dia, não pensei em crise, mau ambiente de trabalho, protestos. Vivi para mim e para os meus. Sofri pelos meus amigos que sofrem (e infelizmente não são poucos). Alegrei-me pela alegria dos outros, principalmente da família. Preocupei-me seriamente com outros dois amigos que me esqueci dos que se fazem de amigos para benefício próprio.

Foi uma semana cheia de emoções boas e más, mas principalmente boas, em que senti mais perto os amigos e a família e em que pela primeira vez não queria regressar à ilha.



Paulus, Ouverture, Spering - Mendelssohn


domingo, 5 de abril de 2009

Páscoa

(Do hebr. pesakh, «passagem», pelo lat. vulg. pascùa)

Confesso que não sei muito bem onde me situo. A Igreja tem muitas coisas que me incomodam, nomeadamente o exigir valores, muitos deles longe da mensagem original.

Se nos ficarmos pelos ensinamentos do Cristo temos uma religião simples, difícil mas simples. Este Homem substituiu todos os mandamentos de Moisés, já de si fundamentais, para dar-nos um novo mandamento, o resumo do que deveria ser o Cristianismo moderno, amai-vos uns aos outros.

Não julgo a Igreja como não julgo ninguém. O valor de amar todos, amar todos por igual, tantas vezes deturpado pela igreja e pelos homens é o que me interessa.

Não me identifico com a maioria dos ensinamentos do novo catecismo. Não me identifico com o homem que está à frente da Igreja mas um dos meus exemplos, talvez o maior, é esse homem que se dizia filho de Deus e Deus. Este mistério, o mistério da Trindade, é-me difícil de aceitar. Uns dias acredito mas quando penso nele racionalmente não acredito. No entanto começa a semana maior. A semana em que um homem de carácter forte com a franqueza e entrega dos loucos se deixou morrer porque nunca deixou de defender a sua verdade. O que é a verdade?

Admiro-o e acredito no lema, na pedra basilar dos seus ensinamentos, amar. Não julgar, respeitar, perdoar e sobretudo amar porque como diz São Paulo o amor move montanhas.

Se eu visse na Igreja este ensinamento sem outras morais, concerteza ainda faria parte dela. Assim, fico com as palavras deste Homem.

Celebro aquela a que os homens chamaram a semana maior em que um homem foi capaz de perdoar o mal que lhe infligiam, um homem louco para muitos e divino para outros tantos, o homem que nunca deixou de lado os seus princípios.

Sexta-feira santa é o único dia do ano em que ainda vou à Igreja para ouvir uma das mais belas passagens desse magnífico livro chamado bíblia, o livro dos cinquenta livros. Ao fim de todos estes anos ainda sinto o mesmo arrepio na espinha quando ouço Tudo está consumado.

Celebro a passagem, a minha e a dos meus e vejo que há muito para andar. Procuro a verdade e ser mais do que nunca fiel à minha verdade. Estou de passagem e nada melhor do que vivê-la com amor.

Vivências


Kommt, ihr Toechter, helft mir klagen - J.S. Bach .




"Erbarme dich" Bach St Matthew Passion Matthauspassion

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Os anormais III

É engraçado como toda a gente tem uma opinião àcerca de tudo, mesmo do que não sabe.

Porque afinal se eu financiar um "aluminum smelter" em Moçambique que emprega milhares de moçambicanos que não tinham onde cair mortos e com isso a empresa constroi estradas, aeroportos e floresce o comércio tradicional, apoiado pelos bancos de desenvolvimento e pelo World Bank, e se é dado como exemplo de bom investimento sustentável no país e fora dele; ou se decidir financiar um porto perdido no sul da Anatólia para distribuir e escoar a produção no e do Médio Oriente que emprega milhares e com ele vêm armazéns, empresas de logística , se aumenta o turismo e com eles emprego e riqueza; e a lista continua, não estou a fazer nada para que as condições nestes países melhorem. É melhor deixar esta gente no meio das suas terras improdutivas sem nada para fazer e a morrer à fome. É ir lá ao terreno e falar com eles e ver os olhos brilhar porque já podem pôr os filhos na escola. Se isto não é viver melhor, então não sei o que é, mas sei o que vejo e o que me é dito nas minhas visitas aos projectos.

Mas parece que não, estes pobres nem têm dinheiro para voar "low cost" para se manifestarem... pois digo eu, estão muito mais preocupados com outras coisas, têm mais que fazer, sobreviver e manter um trabalho é mais importante que ser uma carneirada de olhar enviesado, que usa e abusa de um sistema económico e social que os sustenta para o deitar abaixo.

O que está mal corrige-se com actos, fazer, mas fazer todos os dias. Não é acordar todos os dias ressacado, dar duas voltas na cama, beber até cair para o lado, fumar uns charros e umas drogas que financiam sabemos todos muito bem o quê. E um dia porque é mais difícil ter-se a vidinha do costume, acorda-se e toca a culpar tudo e todos, porque andaram a brincar com o dinheiro deles.

Não me venham falar de moral. A minha moral está naquilo que faço. O que faço no meu trabalho e o que faço fora dele. Todos os dias. E não é por isso que venho para aqui vangloriar-me do que faço. Dou o meu tempo, às vezes chego a dar a minha saúde. Três projectos pessoais diferentes para fazerem deste mundo um mundo melhor.

Por isso não me venham cá com tretas. Não fui eu quem criou esta crise, não explorei os pretos (não tenho medo das palavras) e não exploro os brancos. Tive uma vida que foi um mar de rosas? Quanto mais rosas, mais espinhos meus amigos. Mas não vale a pena queixar-me. É andar em frente.

Conheço a minha vida como ninguém, conheço os meus valores, todos os dias luto para não me deixar ficar mal.

E se sou bem pago? Sim, sou muito bem pago, principalmente pelos esquecidos que não têm futuro e a quem este mundo sujo ainda oferece algum conforto. Sou bem pago quando vejo que os meus sacrifícios físicos dão frutos com fundos do Estado para melhorar a vida de milhares. Sou bem pago quando uma criança se despede de mim enquanto me olha nos olhos como sou bem pago quando vejo as mudanças nas caras das pessoas envolvidas nos meus projectos com o passar do tempo.

E isto é dar-se todos os dias, é um sacerdócio, uma forma de vida. Há que abraçá-lo sempre.

Se todos os que vêm aqui para a porta mandar vir fizessem metade do que eu faço, concerteza este mundo seria bem melhor.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Os Anormais II

Eu até compreendo que haja muita gente descontente, compreendo que a maioria das pessoas que enchem as ruas da "city" nunca tenha vivido momentos tão complicados e que sintam necessidade de demonstrar as frustrações.

O G20 foi a oportunidade e o povo veio para a rua. O povo, como quem diz, gente que não tem mais que fazer, que não trabalha porque vive confortavelmente "on dad’s bank" ou dos meus impostos.

São os ambientalistas que vieram aos milhares depois de terem voado "low cost" (porque vieram dos quatro cantos do mundo), anti-capitalistas mascarados de bancários, galinhas e outros carnavais, vestidos e com máscaras importados da China e feitos sabe-se lá em que condições, os anarquistas que só querem provocar distúrbios e colapsar a cidade que chegaram de metro. Estão-me a entender. Então eu sigo.

Acamparam à frente do meu escritório aos milhares, o escritório fechado e eu em casa, nem acesso remoto tenho porque o servidor está colapsado. Quiseram dar-nos um dia de férias? Obrigado! Até está um dia de sol para passear calmamente no parque vazio – afinal vocês que não trabalham decidiram ir passar o dia à "square mile".

Mas que fique aqui um ponto bem assente. Eu trabalho com dinheiro, invisto dinheiro que não é meu e não me envergonho disso. Quando passeio no meu país e vejo os parques eólicos penso: está aqui o meu trabalho; quando estive agora na Turquia, na fronteira com a Síria, uma zona deprimida e vejo milhares de gente com trabalho vejo o fruto das minhas horas. Segue-se Moçambique onde estou no maior empregador, os Camarões, a Nigéria, a lista continua... Se ninguém fizesse o que eu faço, estas regiões seriam ainda mais pobres e disso ninguém fala.

Mas nunca gastei dinheiro que não podia gastar. Nunca vivi acima das minhas possibilidades, não tenho um único empréstimo. Um único! Se bem que compreenda e apoie empréstimos para projectos pessoais e empresariais essenciais, sim, as pessoas precisam de casa e carro, não percebo os empréstimos ao consumo. As férias, o LCD, a consola, as festas e os jantares, roupas de luxo, não faz sentido. E se quem dá é responsável, é igualmente responsável quem aceita. Não me venham cá com conversas. Nascemos todos com um cérebro, é uma questão de o usar. Só que é muito fácil e cómodo viver encostado a um sistema que foi construido com base numa mão invisível que distribui a riqueza, mas a premissa de que cada um gasta o que tem falha porque somos um bando de preguiçosos e é melhor dado do que trabalhado.

Perdi o respeito por esta gente com vistas curtas. Que só vêem o que lhes interessa sem perceber o resto.

Esfalfei-me durante dez anos, estou esgotado com tudo isto, com quem rouba, quer os colarinhos brancos, quer os que gastam o que não têm.

Os anormais estão na rua, não nos deixam ir trabalhar, outros tiveram de se mascarar de anormais para poderem chegar ao trabalho como se não fosse suficiente o que se passa dentro de portas.

Quando me perguntam onde trabalho, quando ouvem a minha resposta, vejo todo o tipo de caras, pena, asco, compreensão... um dia disseram-me que mais valia dizer que recolho esperma aos elefantes do zoo. Meus amigos, o que faço é o que faço, com orgulho. Nunca faltei ao respeito a ninguém, nunca roubei ninguém, nunca impedi ninguém de trabalhar e aguento-me como posso de cabeça levantada.

Podia até contar as misérias que temos passado e do terrível ambiente de trabalho, mas isso não interessa. Não quero a vossa pena como não aceito a vossa condenação.

Está aí um mundo que precisa de cuidados, não precisa de um bando de anormais que voou em massa para se manifestar contra as alterações climáticas, que se mascarou com máscaras trazidas da China porque é anti-capitalista, que faz uma economia parar e gastar mais uns largos milhões quando o que precisamos é de evitar custos que não têm retorno.

Até podia agradecer o dia de férias, mas o que quero mesmo dizer-vos é: deixem-me trabalhar!