domingo, 5 de abril de 2009

Páscoa

(Do hebr. pesakh, «passagem», pelo lat. vulg. pascùa)

Confesso que não sei muito bem onde me situo. A Igreja tem muitas coisas que me incomodam, nomeadamente o exigir valores, muitos deles longe da mensagem original.

Se nos ficarmos pelos ensinamentos do Cristo temos uma religião simples, difícil mas simples. Este Homem substituiu todos os mandamentos de Moisés, já de si fundamentais, para dar-nos um novo mandamento, o resumo do que deveria ser o Cristianismo moderno, amai-vos uns aos outros.

Não julgo a Igreja como não julgo ninguém. O valor de amar todos, amar todos por igual, tantas vezes deturpado pela igreja e pelos homens é o que me interessa.

Não me identifico com a maioria dos ensinamentos do novo catecismo. Não me identifico com o homem que está à frente da Igreja mas um dos meus exemplos, talvez o maior, é esse homem que se dizia filho de Deus e Deus. Este mistério, o mistério da Trindade, é-me difícil de aceitar. Uns dias acredito mas quando penso nele racionalmente não acredito. No entanto começa a semana maior. A semana em que um homem de carácter forte com a franqueza e entrega dos loucos se deixou morrer porque nunca deixou de defender a sua verdade. O que é a verdade?

Admiro-o e acredito no lema, na pedra basilar dos seus ensinamentos, amar. Não julgar, respeitar, perdoar e sobretudo amar porque como diz São Paulo o amor move montanhas.

Se eu visse na Igreja este ensinamento sem outras morais, concerteza ainda faria parte dela. Assim, fico com as palavras deste Homem.

Celebro aquela a que os homens chamaram a semana maior em que um homem foi capaz de perdoar o mal que lhe infligiam, um homem louco para muitos e divino para outros tantos, o homem que nunca deixou de lado os seus princípios.

Sexta-feira santa é o único dia do ano em que ainda vou à Igreja para ouvir uma das mais belas passagens desse magnífico livro chamado bíblia, o livro dos cinquenta livros. Ao fim de todos estes anos ainda sinto o mesmo arrepio na espinha quando ouço Tudo está consumado.

Celebro a passagem, a minha e a dos meus e vejo que há muito para andar. Procuro a verdade e ser mais do que nunca fiel à minha verdade. Estou de passagem e nada melhor do que vivê-la com amor.

11 comentários:

Mr.Jones disse...

Eu concordo em algumas coisas. Porem sempre achei as igrejas voltadas ao capitalismo.

Diabba disse...

Tens alguma coisa contra trabalhar às sextas-feiras santas?? (ar de anjo papudo mode)

enxofre

Nota: tb se aceita trabalho ao sábado.

pinguim disse...

O que li aqui é exactamente o que penso da igreja hoje em dia; não me interessa minimamente o conjunto de homens que a constituem, mas sim o Homem que lhe deu vida!
Abraço amigo.

Lua disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lua disse...

Acho este texto é um bom exemplo da esperaça que deposito na capacidade humana - capacidade essa de amor ao próximo, bondade, positivismo.

Há bastantes que confudem, na minha opinião, esta capacidade com algo divino. Não me importo minimamente desde que as consequências não sejam negativas, o que infelizmente muitas vezes o são. No entanto, não será por este motivo que me revolto contra a igreja. Apenas tenho a confirmação de que, apesar de acreditar nesta capacidade humana, tenho de aceitar que por muito bons que possamos ser, somos individualistas acima de tudo. De uma forma geral, em tudo. E o que achamos que é bom queremos espalhar e ver como o padrão aceite.

Mas nunca me desiludi com ou me zanguei com o homem que por nós decidiu morrer.

Lobinho disse...

Bem, seria impossivel a Igreja como instituição, instituida pelo próprio Cristo, ao fim de dois mil anos ser tao fiel e pura como quando Cristo andava na terra. Isto nao desculpa os erros cometidos pela Igreja, muitos dos quais publicamente confessados e arrependidos, mas faz luz sobre a Igreja de hoje. Tal como as sociedades foram evoluindo naturalmente, a Igreja teve de arranjar canones e formas de lidar com a Mensagem de Cristo, sem se tornar ingenua. Porque a Igreja vivo no mundo, faz a denúncia do achincalhamento da dignidade humana, da coisificação da pessoa 8e ainda por cima é criticada por isso) e nao podemos pretender que a Igreja fosse exactamente como na altura de Cristo; nao por causa dela; nao por causa de CRisto. Mas porque tudo evoluiu, para o Bem e para o mal, e a Igreja tem de saber ser sabia entre tantos predadores.

De resto se Cristo instituiu a Igreja e confiou a Pedro (hoje Bento XVI) a sua Mensagem, quem somos nos para terms uma pssawrod para ir directamente a Deus?

O proprio Cristo disse. "Ninguem vai ao Pai senao por Mim"...

E ir poe Ele, nao é, nao pode ser, que antes havia trocas e depois veio a moeda. A Igreja vive no meio de raposas; o Homem é que nao entende, continua a nao entender, a sua mensagem.

Abraços

Usuale disse...

Boa tarde!

Para quem quer dicas do que dar de presente de páscoa, aí vai uma dica um blog que vi na web: http://usuale.blogspot.com

Feliz Páscoa

Mocho Falante disse...

Ora viva

em primeiro lugar deixa-me dizer-te que estou fascinado pelas musicas do teu blog, são de facto músicas vindas de inspiração divina.

A igreja, pois a igreja, sabes eu acredito que todas as religiões são rios que desaguam no grande oceano que é Esse Ser Surpremo, não nos podemos distrair a olhar as margens, pois corremos o risco de apenas contemplar o pequeno belo a que nada se compara com a força do Oceano, assim está a Igreja, parada numa margem do caminho. A fé é aquilo que nós sentimos, cada um à sua maneira. Tem uma Páscoa Feliz

Carlos disse...

Olá, já sigo o teu blog há algum tempo, cheguei até ele, como chegamos a outros tantos, clicando aqui e ali... No entanto há os que esquecemos e aqueles que com muito carinho, e porque nos dizem algo, por uma razão ou outra, continuamos a visitá-los e acabamos visitantes quase diários. Admiro a maneira como escreves e que me toca profundamente, sim, sei que sou um bocado lamechas... mas sinto-me Bem quanto te leio...
Parabéns, e desejo-te de coração uma Santa Páscoa, na alegria de sabermos que Aquele que nos amou, amou-nos até dar a Sua vida por nós. Abraço. Um grande abraço.

ana v. disse...

Um beijo, Melões, e boa Páscoa (tenha ela o significado que quiseres dar-lhe).

Estreliña disse...

Espero que tenhas dito uma Santa Pascoa adocicada!

:)