terça-feira, 19 de maio de 2009

Chiquinha Gonzaga

(Rio de Janeiro, 17-10-1847 a 28-02-1935)


Francisca Edwiges Neves Gonzaga. Nasceu no Rio de Janeiro em 1847 de uma família de pretensões aristocráticas, pai militar e mãe mulata.

Não conhecia o nome até que em 1999 passou na televisão portuguesa uma mini-série sobre a vida desta mulher. Devido à minha paixão por determinados estilos da música popular brasileira, nomeadamente Bossa Nova e Chorinho, decidi seguir a série e fiquei deliciado com a vida desta mulher, a primeira mulher a dirigir uma orquestra no Brasil. Comecei uma busca difícil de informacão e partituras, na altura muito dificil, mas que devido à série ter sido lançada em DVD, se tornou mais fácil desde 2008.

De formação clássica, Chiquinha Gonzaga, uma lutadora pelos direitos e igualdade das mulheres e do fim da escravatura, viu-se desde cedo nos meios escravos onde começou a ouvir e a apreciar a sua música, transferindo para a sua formação clássica as sonoridades que apreendia.

Nascia assim o chorinho e davam-se os primeiros passos na direcção da grande expressão da música brasileira, a Bossa Nova.

Mulher de amores e desamores, casou-se pela primeira vez aos dezasseis anos por imposição da família, separando-se a finais dos anos 60 do séc. XIX enfrentando uma sociedade conservadora num Rio de Janeiro aburguesado. Após um segundo casamento falhado, ocupou as conversas de todos os círculos sociais cariocas quando adoptou como seu filho João Baptista, um rapaz de 16 anos por quem se apaixonou quando tinha 52. Tais escândalos atiraram grandes feitos de Chiquinha, nomeadamente ter fundado a sociedade brasileira dos direitos de autor, ter conseguido o direito de voto das mulheres brasileiras, ter levando a música popular brasileira aos grandes salões onde a alta burguesia brasileira se encontrava e aos quatro cantos do mundo, nomeadamente na Europa onde passou 8 anos, para segundo plano.

Da série, recordo-me de um chorinho fabuloso onde já se descobrem aqui e ali umas sonoridades de Bossa Nova. Ouvi uma vez na série e fiquei com a melodia na cabeça, passei-a mesmo ao papel, e hoje, quando a encontro fico feliz por saber que a minha memória não me traiu. Não vou analisar a música, não o fiz quando a ouvi pela primeira vez e por isso, talvez, tenha sido apanhado de surpresa. Simples e popular.

Infelizmente não encontrei nenhuma versão interessante no youtube, as imagens tendem a ser assustadoras, de qualquer forma encontrei uma com bailado que vos deixo aqui. Infelizmente o bailado vê-se mal, porque poderia eventualmente ser um vídeo muito bonito. De qualquer forma fica a música, que essa sim, a meu ver vale a pena.



3 comentários:

Cromossoma X disse...

Meloes, tambem vi esta serie de que falas..que coisa deliciosa, lembro-me...

sabes que e' da Chiquinha o tema "abre alas" que a Daniela Mercury lancou recentemente?! Foi inclusive o final da serie que recordo bem, acabava com ela a tocar essa mesma musica...

geocrusoe disse...

nunca tinha ouvido falar dela e já há muitos anos que não vejo séries televisivas por questões de tempo. Mas da música gostei muito... existe simplicidade e beleza de uma forma muito bem cozinhada.

pinguim disse...

O nome era-me familiar, mas não conhecia nenhuma música dela.
Este tema é absolutamente espectacular, fiquei abismado com esta beleza musical.
Obrigado pela partilha.
Abraço.