domingo, 31 de maio de 2009

Pronúncia do norte



Se há coisa de que não me envergonho, é da minha pronúncia do norte. O português que se fala no norte não tem preconceitos. Encontra expressões alegres e honestas e transforma os palavrões em afectos.

Julgar pessoas pela pronúncia é estúpido. O português do norte não é mais rude, é diferente. As vogais mais abertas, os ditongos mais alongados e rasgados. É uma pronúncia mais próxima do galaico-português que deu origem ao nosso riquíssimo idioma. Afinal a influência árabe não foi tão sentida no norte e portanto estas gentes não importaram os sons nasalados e fechados que se falavam mais a sul.

Um país que nega e ridiculariza as suas pronúncias, ou que as categoriza em diferentes status, é um país que nega a riqueza da diversidade. Infelizmente em Portugal é assim.

Quantas vezes um repórter ou jornalista em Portugal fala com a pronúncia do norte, ou do Algarve, ou Alentejana, Beirã para não falar das ilhas?

Basta ouvir o noticiário da BBC e as pronúncias do país aparecem, lindas, únicas. Uma das apresentadoras do tempo do “BBC breakfast” fala-nos com a sua pronúncia escocesa, como não há problema ou crítica em apresentar documentários com pronúncias de York ou Belfast.

Ouvindo-se tudo, deixa de criar-se imagens, imagens de que as pessoas do norte são ignorantes, parolas, tacanhas, boçais. Também as há como há no resto do país mas é incrível como quando querem entrevistar alguém no Porto, encontram sempre o senhor de camisola sem mangas e grande corrente ao pescoço com a música pimba aos berros e que dá pontapés na gramática.

O que o país faz, principalmente os meios de comunicação, é empobrecer o português, torná-lo pobre nas expressões e palavras e sons.

Eu sei como peço um pingo, um lanche ou um molete no resto do país, e se precisar de uma sertã nova, de pedir cruzetas no quarto do hotel, substituir o aloquete, também o sei fazer em qualquer parte do país. E se o vermelho é mais piroso do que o encarnado, quem o decidiu? Encarnado não se usa no norte mas todos sabemos o que quer dizer. Para nós encarnado é o Cristo. E gosto de ter pessoas à minha beira se bem que não me importo de as ter ao pé de mim.

Tacanhês não é falar com pronúncia do norte ou doutra qualquer região. Tacanhês é acreditar e defender que há um português correcto e negar ao país outras pronúncias e expressões, ridicularizar quem as tem, tornando assim esse português mais pobre.


19 comentários:

Kapitão Kaus disse...

Apoiado!
E olha que eu não nasci no norte...

Abraço:)

Teresa disse...

CLAP! CLAP! CLAP!

Eu, pessoalmente, adoro o português do Norte, adoro a tua pronúncia. Na nossa apocalíptica confraria, nem preciso de te lembrar, sou a única de Lisboa, se bem que a Diabba fale sem qualquer sotaque. Já tu, a Famosa e a Emigra (mesmo com os anos do doutoramento na Carolina do Sul) mantêm-se fiéis à pronúncia natal. E acho um encanto.

Sou alentejana por mero acaso, falo como lisboeta e não sei (com muita pena minha) imitar os diferentes sotaques do nosso país.

E que mapa fabuloso foste desencantar!

Sabes onde e com quem trabalho. Há no gabinete muita gente do Norte, da tua Universidade (os economistas são todos daí). Há dias tive um episódio delicioso. Durante a minha hora de almoço, a secretária da reitoria telefonou a pedir o endereço eléctrónico de uma certa pessoa, a minha colega ditou-lho ao telefone. Q mail não foi entregue, a secretária ficou toda aflita e telefonou, apanhando-me já de regresso. Suspeitei logo haver ali um problema de pronúncia, mas mantive-me muito séria, até porque ela é uma querida. Soletrei o endereço. E agora terás mesmo de pensar em termos de pronúncia, porque isto é impossível de reproduzir.

"AH!!! COUTO! C-O-U!!! Eu tinha escrito Coto!", exclamou a Lisete. Claro que no minuto seguinte a mensagem chegou ao destinatário... :)

Diz lá que não é um encanto?

E tenho pena de conhecer tão mal a tua linda cidade. A última vez que aí estive foi contigo e com as nossas amigas, naquele almoço da confraria...

Grande beijo. Cada vez tenho menos tempo para a blogosfera, mas nunca me esqueço de ti, acredita.

Ck in UK disse...

ah carago!

AnAndrade disse...

Fabuloso!!!!, diz uma nada-em-Lisboa e criada-no-Norte, que no Porto é "moura" e no sul é "tripeira".
Orgulho-me de ambas.
E bardamerda com (mais) esta rotulagem e com a mania de carimbar a diferença.
Obrigada! :)

Anónimo disse...

Eu embirrava com a pronúncia do Norte, mas a partir de hoje passei a apreciar. Tenho coisas estúpidas, mas vc ajuda-me por vezes a contrariá-las. Ob, Rita Ferro

geocrusoe disse...

eu que pareço continental na ilha de são miguel, açoriano para muitos continentais, sem pronúncia para outros... falo como se fala na minha ilha e localidade, até cometo gaffes gramaticais típicas de cá quando me distraio... mas cada um com a sua pronúcia e espero que com muito orgulho.

Wask disse...

eu espero que, com sotaque do Norte ou nao, que tenhas gostado de estar connosco ontem. Porque eu sei que nós gostámos de te ver :)

Diabba disse...

Oube lá, num percebi essa cena du sutuaque, mas quein é caqui fala cum sutuaque, hã? (in bez do "hã" debia de estar um falo, mas num puosso, purque teins um belogue sério)

Beijo d'enxofre

AEnima disse...

Sabes... ao reininho ate lhe perdoo quase tudo por ter escrito essa musica tao linda. Eu tenho orgulho da minha pronuncia. Agora que estou ca ha mais de um ano, ela esta mais forte :D

Nao gosto de ouvir trocar os "b" pelos "v", nem gosto de ouvir pontapes na gramatica. Mas tambem nao gosto de so ouvir comer as vogais, como os de Lisboa fazem.

Os actores de teatro tem aulas de diccao, para declamarem o texto explicadamente e sem pronuncia. E essa me parece ser uma grande falha do teatro portugues... nao e' natural, nao e' expressivo.

Que post delicioso... :D

Lua disse...

Eu sou linguísta - 'nough said. Pois é claro que o mais importante é a variedade numa língua, que é o que lhe dá a riqueza.

E olha, eu nasci no norte e sempre morei a sul de Lisboa. Nem tenho sotaque do norte nem do centro sul. No melhor das alturas é misto. Só quando estou mesmo, mesmo muito cansada é que me puxa mais para o norte :)

Rosé disse...

E viva o Porto CARAGO.Beijinhos da Portista FIFI

Tricotes disse...

Muito bem! Já era tempo de chamar os "bois pelos nomes". Ainda há pouco tempo eu pedi umas calças vermelhas e a lojista fez o reparo, e assim como quem não quer a coisa repetiu "encarnadas?". :)

Afrika disse...

Ola, como não sei se passas pelo meu blog, decidi deixar te aqui um link pra um documentário ao qual assisti hoje no google vídeo. Estou a deixar-te o link (assim como a todos aqueles que conheço ) porque acho que todos vale a pena saber aquilo que passa a nossa volta.

http://video.google.com/videoplay?docid=-1717800235769991478&hl=pt-BR

Beijinhos, fica bem.

P.S. caso não consigas chegar através do link, podes procurar pelo nome de Earthlings.

Bxana disse...

O que pouca gente sabe é que o filho "mais puro" do galaico-português...é a pronúncia do Norte.

Muito bem escolhido, o tema!

Sofia disse...

Apoiado! Eu adoro a pronuncia do norte!

caditonuno disse...

gostei de defenderes a causa!!! é assim mesmo, metal.

eu sou de espinho, mas falo mais à porto. e aqui em braga sou gozado pelos putos de guimaraes (percebeste a lógica?) por dizer depÉÉnde. aqui eles dizem depênde.

e algumas outras coisas menores. rais'parta os putos!!!

abraço portista (da cidade, que futebóis não são para aqui chamados!)

AEnima disse...

A pronuncia, quando aparece, e' para sempre. Esperemos que o post nao :D

Beijinhos!!!

Anónimo disse...

Quando leio coisas como esta sinto um orgulho imenso em ser do Porto, ser do Norte...

Anónimo disse...

Caros Portugas:
Não se avexem!
Vocês não fazem ideia da herança fonética e do conjunto de pronúncias que a ultima flor do Lácio presenteou o Brasil, cuja dimensão é muito maior que a terrinha!
Mas, lá, como cá, todo mundo se entende! De norte a sul,um só idioma um só coração!