sábado, 7 de novembro de 2009

Tu e o teu caderno preto






Estás sentado no café da esquina. Tu e o teu caderno preto.

Um prato vazio e um café que arrefece. A garrafa de água aberta. Olhas a rua na grande metrópole. Olhas sem ver porque tens os pensamentos perdidos, um turbilhão de ideias sem ordem nem razão.

Inesperadamente um pensamento cai em ti como um meteorito que entra ardente na atmosfera e te impacta fundo. Será, provavelmente, a última vez que te sentas nesse café de esquina. Tu e o teu caderno preto.

Quantas vezes o fizeste? Muitas, muitas, centenas concerteza. Após um lustro, um lustro de pensamentos no teu caderno preto, não precisas de pedir. Sabem quem és, que café queres, a tua mesa preferida, quem entra, a terceira junto à janela de onde podes ver o cruzamento e as pessoas que correm apressadas.

Olhas pela janela e começas a ver. O céu está azul, limpo como só consegue estar nas manhãs frias, incorrupto, sem núvens, o sol baixo faz brilhar a grande metrópole.

Vês passar os carros, os táxis, os autocarros, vês gente que caminha apressada e outros que aproveitam a manhã de sol para passear.

Não há pausa na cidade, há sempre um carro parado no semáforo, gente que atravessa a rua. Centenas de anónimos como tu.

Sorris, dás-te conta que a cidade continuará a mesma sem ti, levantas-te, fechas o teu caderno preto e caminhas até a casa confundido com a multidão.

Fica a esquina, o café da esquina, a terceira mesa junto à janela onde passaste horas. Tu e o teu caderno preto.

6 comentários:

geocrusoe disse...

Um desabafo que antecede a partida, pelos vistos ainda estás em Londres, mas mesmo no termo de um tempo que jamais esquecerás e que passa a fazer parte do teu passado e das tuas memórias.

Zoninho disse...

isto fez com que me batesse uma saudade do tempo em que ia escrever sem tempo nem urgência para o café, para os jardins, sobre o amor violento...
imagino que estejas a começar a despedida! pode custar, mas a causa é boa, certo?! e, como nómada que és, há-de correr tudo bem!

grande abraço

caditonuno disse...

nao tenho passado por aqui, mas dou contigo numa nostalgia e pêras!

pinguim disse...

É um adeus simbólico e comovido a sítios que durante muito tempo preencheram o teu quotidiano.
Abraço.

Fábrica de Letras disse...

O desafio da Fábrica de Letras está lançado!
Para o mês de Dezembro, o tema é "Natal".
Para participar basta escrever um texto sobre o tema proposto e inscrever-se no link que estará à disposição na nossa Fábrica, no dia 1 de cada mês.
Podem ser usados textos,poemas, desenhos, pinturas, contos, fotos ou vídeos.
Participa, divulga!

Mocho Falante disse...

ora viva

aqui ficam os meus votos de Feliz Natal junto daqueles que mais amas

um abraço